AIE reduz previsão de procura de petróleo devido à pandemia

  • Lusa
  • 15 Setembro 2020

A AIE espera agora que a procura global de petróleo diminua em 8,4 milhões de barris por dia este ano. Para 2021, espera uma recuperação da procura de 5,5 milhões de barris por dia.

A Agência Internacional de Energia (AIE) reduziu esta terça-feira a previsão de procura de petróleo para este ano devido à crise da pandemia e estima perspetivas ainda mais “frágeis” para o mercado.

O ressurgimento de casos de Covid-19 em muitos países, as medidas de contenção locais, a continuação do teletrabalho e a fragilidade do setor aéreo levaram-nos a baixar as nossas estimativas de procura para o terceiro e quarto trimestres de 2020″, afirma a AIE no relatório mensal sobre o petróleo hoje divulgado.

A AIE espera agora que a procura global diminua em 8,4 milhões de barris por dia este ano, contra 8,1 milhões de barris por dia no relatório anterior.

No próximo ano, a AIE espera uma recuperação da procura de 5,5 milhões de barris por dia, ligeiramente mais (260.000 barris por dia) do que na última estimativa. A procura deverá atingir 97,1 milhões de barris por dia no próximo ano, ainda abaixo do nível de 2017.

“Com o início do inverno no hemisfério norte, entraremos em território desconhecido relativamente à virulência da covid-19”, diz a AIE, que aconselha os países desenvolvidos sobre as suas políticas energéticas.

No relatório anterior publicado em agosto, a agência descreveu o reequilíbrio do mercado petrolífero como “delicado”. “Um mês depois, as perspetivas parecem ainda mais frágeis”, conclui a AIE.

Na segunda-feira, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) já tinha sido mais pessimista acerca da procura mundial de petróleo este ano e em 2021, citando uma fraqueza persistente em alguns países asiáticos na sequência da pandemia de covid-19. O gigante britânico dos hidrocarbonetos BP disse na segunda-feira que a procura global de petróleo pode já ter atingido o seu pico e pode continuar a diminuir devido às consequências da pandemia e da transição energética.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AIE reduz previsão de procura de petróleo devido à pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião