Petróleo abaixo dos 40 dólares. Mercado fala em “estagnação”

O preço do barril do petróleo está a cotar abaixo dos 40 dólares, numa altura em que o mercado fala numa "estagnação" devido à pandemia.

Os preços do barril de petróleo estão em queda, poucos dias depois de terem batido máximos de cinco meses devido ao furacão Laura. Esta desvalorização do “ouro negro”, que passou a cotar abaixo dos 40 dólares em Nova Iorque, acontece numa altura em que a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) fala numa “estagnação” do mercado petrolífero devido à pandemia.

Negociado em Londres e usado como referência para as importações nacionais, o barril de Brent está a cair 1,08% para 42,20 dólares, enquanto o WTI, negociado em Nova Iorque, segue a desvalorizar 1,13% para 39,32 dólares.

Este desempenho acontece numa altura em que a EIA fala numa “estagnação” do mercado petrolífero devido à pandemia. Contudo, o cenário não deverá piorar. Isto porque os armazéns acumularam muitos barris de petróleo com o confinamento e existe bastante incerteza quanto à recuperação do mercado petrolífero devido à China, diz a IEA.

“Há uma enorme incerteza, mas não esperamos nenhuma desaceleração séria adicional nos próximos meses”, diz Keisuke Sadamori, diretor diretor de mercados de energia e segurança da IEA, citado pela Reuters (conteúdo em inglês).

“Mesmo que (o mercado) não enfrente um crescimento robusto real em breve, o cenário do lado da procura é mais estável em comparação com os últimos três meses“, acrescentou o especialista.

Recorde-se que, na primavera, altura em que a pandemia paralisou o mundo, o preço da matéria-prima bateu mínimos históricos, consequência da fraca procura. Contudo, o preço estagnou nos 40 dólares, não descendo mais do que isso.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo abaixo dos 40 dólares. Mercado fala em “estagnação”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião