Chegadas de turistas internacionais caem globalmente 65% até junho

  • Lusa
  • 15 Setembro 2020

"É um colapso sem precedentes causado pelo encerramento das fronteiras por todo o mundo e a introdução de restrições de viagens em resposta à pandemia", diz a Organização Mundial do Turismo (OMT).

As chegadas de turistas internacionais caíram 65% no primeiro semestre a nível global, e diminuíram 93% em junho, face ao ano anterior, segundo um barómetro da Organização Mundial do Turismo (OMT) divulgado esta terça-feira.

“De acordo com os novos números do Barómetro do Turismo Mundial da agência especializada das Nações Unidas, as chegadas de turistas internacionais caíram 65% no primeiro semestre do ano. É um colapso sem precedentes causado pelo encerramento das fronteiras por todo o mundo e a introdução de restrições de viagens em resposta à pandemia”, lê-se num comunicado enviado à comunicação social pela OMT.

Já os dados de junho mostram uma quebra de 93%, em comparação com 2019, demonstrando “o grande impacto que a pandemia de covid-19 tem tido no setor”, acrescenta a organização. Nas últimas semanas tem-se assistido à reabertura de um número crescente de destinos aos turistas internacionais, com a OMT a constatar o abrandamento das restrições às viagens em 53% dos destinos.

Ainda assim, muitos países permanecem cautelosos e este último relatório mostra que os bloqueios impostos durante a primeira metade do ano tiveram um impacto “devastador” no turismo internacional. A OMT reitera que a queda repentina e drástica nas chegadas de turistas internacionais colocou em risco milhões de empregos, bem como a sobrevivência de “inúmeras” empresas.

Segundo a organização, a quebra na procura de viagens internacionais entre janeiro e junho traduz-se numa perda de 440 milhões de desembarques internacionais e cerca de 386,83 mil milhões de euros em receitas de exportação do turismo. As perdas de receita do turismo internacional devido à pandemia são cinco vezes maiores do que as registadas durante a crise económica e financeira global de 2009, aponta a OMT.

A instituição considera que é possível fazerem-se viagens internacionais seguras em várias partes do mundo e afirma ser “imperativo” que os governos trabalhem em estreita colaboração com o setor privado para recuperar o turismo. “O último Barómetro Mundial do Turismo mostra o profundo impacto que esta pandemia está a ter no turismo, um setor do qual milhões de pessoas dependem para viver”, afirmou o secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili.

De acordo com o barómetro, a Europa foi a segunda região mais afetada do mundo, com uma queda de 66% no número de chegadas de turistas no primeiro semestre de 2020, a seguir à região da Ásia e Pacífico, a primeira a sentir o impacto da covid-19, com uma queda de 72%. Também as regiões das Américas e da África e Médio Oriente sofreram fortes consequências na atividade turística, com diminuições de 55% e 57%, respetivamente, nas chegadas de turistas internacionais, no primeiro semestre deste ano.

Quanto ao futuro, a OMT pensa que é provável que a procura de viagens e a confiança dos consumidores permaneçam baixas, afetando os resultados para o restante do ano.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 929.391 mortos e mais de 29,3 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. As medidas para combater a pandemia paralisaram setores inteiros da economia mundial e levaram o Fundo monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 4,9% em 2020, arrastada

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chegadas de turistas internacionais caem globalmente 65% até junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião