Hidrogénio “não é nenhum delírio tecnológico”, diz Costa Silva

Costa Silva reconheceu alguns problemas relacionado com o hidrogénio, mas garante que "não é nenhum delírio tecnológico", até porque o investimento público é "relativamente baixo".

António Costa Silva reconhece um “grande potencial no hidrogénio”, o qual “não é nenhum delírio tecnológico”. Na apresentação dos contributos para a Visão Estratégica, o conselheiro do primeiro-ministro entende as preocupações com a viabilidade económica, mas argumenta que o país “não pode prescindir” do hidrogénio verde.

“É uma tecnologia que não será comercial nas próximas décadas, é algo que se está a explorar”, disse esta terça-feira, na Fundação Calouste Gulbenkian, referindo que já é usado na indústria petroquímica. Costa Silva não tem dúvidas de que esta “será uma das grandes descobertas deste século”, nomeadamente com o armazenamento da energia através de baterias de fluxo.

Para o professor do IST, “não podemos prescindir da importância do hidrogénio, ainda por cima quando há um grande projeto europeu“. E referiu que o hidrogénio verde teve o “apoio transversal de muitas empresas” uma vez que o mesmo “tem de ser visto no contexto de descabornização do país”.

O CEO da Partex prevê ainda que esta aposta “vai trazer valor acrescentado” e que o investimento público que terá de ser feito é “relativamente baixo”.

No documento em que analisa os contributos dados durante a consulta pública, Costa Silva refere que, no que toca ao cluster do hidrogénio, “os contributos acentuam a importância da aposta no hidrogénio e o seu potencial, mas acham a atenção para o facto de algumas tecnologias de produção não estarem ainda maduras“. “Defendem por isso uma abordagem incremental à sua introdução na matriz energética portuguesa”, assinala. Ou seja, tanto há interesse no hidrogénio como “alguma preocupação com a sua competitividade económica”.

“É referido o contributo do hidrogénio para a indústria petroquímica, o seu potencial uso nas redes de gás natural e o papel que pode desempenhar como solução para o armazenamento de energia”, descreve o professor do IST.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hidrogénio “não é nenhum delírio tecnológico”, diz Costa Silva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião