Comissão Europeia assegura que vai proteger “bazuca” europeia da fraude e corrupção

A presidente da Comissão Europeia deixou esta quarta-feira o compromisso de proteger o dinheiro europeu da fraude, corrupção e dos conflitos de interesse.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, assegurou esta quarta-feira, no discurso do Estado da União, que o braço executivo da União Europeia irá assegurar que a “bazuca” europeia, o Fundo de Recuperação europeu, apelidado Próxima Geração UE, está protegido da fraude, corrupção e dos conflitos de interesse.

Isto não é negociável“, avisou, assinalando que a Comissão dá “a maior das importâncias ao Estado de direito”. “É por isso que iremos assegurar que o dinheiro do nosso orçamento e da Próxima Geração UE está protegido contra qualquer tipo de fraude, corrupção e conflitos de interesse”, assegurou Von der Leyen.

Antes do final do mês, a Comissão Europeia irá revelar o seu primeiro relatório anual sobre o Estado de direito sobre todos os Estados-membros. Esta é uma ferramenta preventiva para a deteção antecipada de desafios e para a procura de soluções. “Temos o dever de ser sempre vigilantes para cuidar e nutrir o Estado de direito”, afirmou, avisando que “as violações do Estado de direito não podem ser toleradas“.

Comissão Europeia força taxa digital

No seu discurso, Von der Leyen também defendeu a tributação justa na União Europeia, revelando que a Comissão Europeia irá em frente com uma proposta para impor um imposto digital caso não haja acordo nas negociações da OCDE e do G20.

“Mas que não haja dúvidas: caso não haja acordo para um sistema tributário justo que gere receitas sustentáveis no longo prazo, a Europa irá avançar com uma proposta no início do próximo ano“, anunciou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia assegura que vai proteger “bazuca” europeia da fraude e corrupção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião