Fabricante de lâmpadas da Philips já é neutra em carbono em 2020 com eletricidade renovável

Desde 2010, a Signify reduziu as suas emissões em 70%. Está agora a preparar uma nova etapa de cinco anos na qual se irá concentrar em duplicar o seu impacto positivo no ambiente e na sociedade.

Depois de a Philips ter anunciado que vai eliminar gradualmente as embalagens de plástico em todos os produtos de iluminação de consumo e que a sua fabricante Signify será uma empresa plastic-free até final de 2020 em Portugal, evitando a utilização de 2.500 toneladas de plástico por ano, a empresa veio agora dizer que já alcançou a neutralidade de carbono em todas as suas operações de todo o mundo, utilizando eletricidade 100% renovável.

Além disso, está já a preparar uma nova etapa de cinco anos na qual se irá concentrar em duplicar o seu impacto positivo no ambiente e na sociedade. Desde 2010, a Signify conseguiu reduziu as suas emissões operacionais em mais de 70%: substituiu as tecnologias das suas instalações por outras mais eficientes em termos energéticos, optou por formas de transporte mais sustentáveis e planeamentos de logística otimizados e reduziu o número de viagens tornando-as também mais sustentáveis.

Soma-se ainda o consumo de eletricidade 100% renovável, proveniente de dois contratos de compra de energia, um no Texas e outro na Polónia. O balanço das reduções de emissões foi assim alcançado pela empresa através de um programa de compensação de carbono, com projetos que visam contribuir para o bem-estar das comunidades locais.

“É uma conquista muito importante e queremos que muitas outras empresas se juntem a nós”, afirmou Eric Rondolat, CEO da Signify. “No entanto, o mundo ainda enfrenta mudanças demográficas, urbanísticas, climáticas e escassez de recursos. Por isso, este não é um momento para parar, mas sim para nos tornarmos ainda mais ambiciosos e acelerar os nossos esforços para enfrentar esses desafios. O aumento da sustentabilidade e a oferta de um bom lugar para trabalhar são pilares estratégicos da nossa empresa”.

O novo programa de sustentabilidade da empresa chama-se “Brighter Lives, Better World 2025″ e tem como objetivo “duplicar o impacto positivo no ambiente e na sociedade”. Além da neutralidade de carbono, a Signify quer também reduzir as emissões de carbono em toda a cadeia de valor. “Já em 2025 será atingida a meta de 2031 estabelecida para as empresas no Acordo de Paris de limitar os aumentos de temperatura a 1,5°C durante os períodos pré-industriais. Para tal, vai aumentar a eficiência energética do seu portfólio – o que reduzirá as emissões dos seus clientes – e irá promover reduções de carbono dos fornecedores”, disse a empresa em comunicado.

A Signify compromete-se com o consumo e a produção responsáveis, com produtos que podem ser reimpressos, recondicionados, reutilizados ou reciclados, para chegar à meta de duplicar as receitas de produtos, sistemas e serviços circulares para atingir os 32% em 2025. Um exemplo disto são as luminárias impressas em 3D, tendo sido a primeira empresa de iluminação a desenvolver este processo em escala – e de iluminação pública com componentes reutilizável e peças recicláveis lançada no início deste ano. Foram também criadas nova embalagens sustentáveis, com a remoção do plástico de todas as embalagens de consumo antes do final de 2021 – e foi eliminado o envio de resíduos para aterros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Fabricante de lâmpadas da Philips já é neutra em carbono em 2020 com eletricidade renovável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião