Lâmpadas mais ecológicas. Philips elimina embalagens de plástico até ao final de 2020

Medida permitirá evitar a utilização de 2.500 toneladas de plástico por ano. Isto equivale a 125 milhões de garrafas de plástico que, se colocadas em linha, se estenderiam por mais de 8.000 km.

Até agora, comprar uma lâmpada (mesmo as mais amigas do ambiente) era sinónimo de produção excessiva de resíduos de plástico provenientes das embalagens. Por isso, a Philips decidiu eliminar gradualmente as embalagens de plástico em todos os produtos de iluminação de consumo: a sua fabricante Signify será uma empresa plastic-free até final de 2020. A medida permitirá evitar a utilização de 2.500 toneladas de plástico por ano.

Isto equivale a 125 milhões de garrafas de plástico que, se colocadas em linha, se estenderiam ao longo de mais de 8.000 km, aproximadamente a distância de ida e volta de Lisboa a Kiev na Ucrânia, diz a empresa.

O anúncio foi feito numa conferência de imprensa online esta quinta-feira, véspera do Dia Mundial do Ambiente. Em Portugal e no resto da Europa esta meta será cumprida até final de 2020 e no resto do mundo até final de 2021. O plástico das embalagens será substituído maioritariamente por materiais reciclados derivados de papel. Neste momento, a Signify já utiliza nas suas embalagens 80% de papel reciclado e materiais virgens que devem ser de fontes renováveis certificadas.

“Todos os anos, oito milhões de toneladas de plástico acabam no oceano, causando a morte a um milhão de aves marinhas e ameaçando a extinção de centenas de espécies de vida marinha. A poluição por plásticos tornou-se uma das questões ambientais mais preocupantes e os consumidores são cada vez mais críticos em relação às embalagens dos produtos que compram”, justificou a Philips em comunicado.

Além de livres de plástico, as novas embalagens são mais pequenas o que permite reduzir as emissões de CO2 resultantes de transporte e de utilização de materiais em 6.000 toneladas o equivalente à quantidade de CO2 que 270.000 árvores adultas podem absorver num ano.

“O desperdício de plástico tem um impacto muito negativo no nosso planeta e na sua biodiversidade e por isso decidimos assumir um papel de liderança e começar a usar alternativas sem plástico. É a coisa certa a fazer e a resposta às crescentes expectativas dos nossos clientes”, afirmou Eric Rondolat, CEO da Signify. “Estou ansioso pelo momento em que possamos anunciar que já não utilizamos nenhum plástico nas nossas embalagens”.

Nos casos em que os materiais derivados papel não são aplicáveis, a Signify usa outras alternativas também sem plástico. Como por exemplo as folhas de espuma escolhidas para embalar as novas lâmpadas da Philips – recentemente lançadas e que chegam ao mercado português ainda durante o mês de junho. “A substituição de blisters por embalagens de papel será implementada em todo o nosso portfólio de produtos nas diferentes regiões do mundo, começando pelas lâmpadas de LED na Europa, no terceiro trimestre de 2020, e no resto do mundo a partir do início de 2021″, anunciou a empresa, revelando que a mudança resultou num aumento nas vendas.

“Quando substituímos as nossas embalagens na região do Pacífico, os clientes disseram que eram mais apelativas e amigas do ambiente. A eliminação gradual de plásticos é mais uma forma de impulsionar a sustentabilidade nos nossos negócios e mais um marco concretizado do nosso programa de sustentabilidade Brighter Lives, Better World. Estamos no caminho certo de alcançar a neutralidade de carbono global este ano e já alcançamos a neutralidade de carbono em 15 dos nossos 19 mercados“, acrescentou Rondolat. A Signify foi nomeada em 2019 Líder da Indústria no Dow Jones Sustainability Index pelo terceiro ano consecutivo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lâmpadas mais ecológicas. Philips elimina embalagens de plástico até ao final de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião