PS pede comissão de inquérito ao Novo Banco com “objeto mais amplo” que o BE

A decisão foi anunciada esta quarta-feira pelo deputado João Paulo Correia, na sequência da audição ao CEO do banco, António Ramalho, que aconteceu esta terça-feira no Parlamento.

O PS sempre vai pedir uma comissão parlamentar de inquérito à gestão do Novo Banco, tal como o Bloco de Esquerda, mas os socialistas querem alargar a abrangência da avaliação. A decisão foi anunciada esta quarta-feira pelo deputado João Paulo Correia, na sequência da audição ao CEO do banco, António Ramalho, que aconteceu esta terça-feira na Assembleia da República.

“Analisámos o que foi a audição de ontem do Sr. Presidente do Novo Banco, que veio ao Parlamento responder às perguntas dos deputados. Como conclusão, o PS irá apresentar uma proposta para a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito às perdas que foram registadas pelo Novo Banco desde a sua constituição, que levaram às injeções de capital do Fundo de Resolução com empréstimos do Estado”, anunciou João Paulo Correia, em declarações transmitidas pela RTP3.

O Bloco de Esquerda já tinha igualmente anunciado que iria propor uma comissão de inquérito à gestão do Novo Banco, mas querem focar-se em saber se as vendas de carteiras de ativos geraram perdas para o Estado. Os socialistas concordam, mas querem ir mais atrás, até ao processo de resolução do Banco Espírito Santo (BES). “Queremos um bom objeto mais amplo”, diz Correia. No enatnto, o PS acabou por recuar na intenção de se focarem também no período do Banco Espírito Santo, como incialmente tinham admitido.

Segundo o deputado, a proposta irá, da mesma forma, apontar para as vendas de carteiras, avaliação dos ativos antes dos contratos e eventual dano para o Estado. Além disso, a ideia é que a comissão abranja também:

  • a medida de resolução, o perímetro de resolução, o ativo e o passivo que foi decidido passar para o Novo Banco;
  • a venda foi falhada do BES em 2016;
  • a retransmissão das obrigações seniores que passaram para o Novo Banco no valor de dois mil milhões de euros que, “causaram um dano reputacional” ao rating da República e, consequentemente, aos juros da dívida pública;
  • a venda concretizada em 2017, bem como a envolvência da Autoridade da Concorrência, do Mecanismo Único de Supervisão do Banco Central Europeu;
  • os atos de gestão dos órgãos societários do Novo Banco, mais concretamente, as decisões tomadas nas vendas de ativos que geraram perdas e motivaram as injeções de capital por parte do Fundo de Resolução;
  • e a atuação dos governos, do Banco de Portugal, das Autoridades de Resolução, da comissão de acompanhamento e do Fundo de Resolução nas decisão que estas entidades partilharam com a administração do Novo Banco.

“Entendemos que esta comissão parlamentar de inquérito é necessária porque há dúvidas que permanecem. Queremos procurar a verdade para perceber se o interesse do Estado foi defendido por todas as entidades e todos os responsáveis envolvidos“, aponta João Paulo Correia. Apesar de auditoria da Deloitte apontar “pistas”, considera que “há áreas cinzentas que têm de ser escrutinadas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS pede comissão de inquérito ao Novo Banco com “objeto mais amplo” que o BE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião