PS pede comissão de inquérito ao Novo Banco com “objeto mais amplo” que o BE

A decisão foi anunciada esta quarta-feira pelo deputado João Paulo Correia, na sequência da audição ao CEO do banco, António Ramalho, que aconteceu esta terça-feira no Parlamento.

O PS sempre vai pedir uma comissão parlamentar de inquérito à gestão do Novo Banco, tal como o Bloco de Esquerda, mas os socialistas querem alargar a abrangência da avaliação. A decisão foi anunciada esta quarta-feira pelo deputado João Paulo Correia, na sequência da audição ao CEO do banco, António Ramalho, que aconteceu esta terça-feira na Assembleia da República.

“Analisámos o que foi a audição de ontem do Sr. Presidente do Novo Banco, que veio ao Parlamento responder às perguntas dos deputados. Como conclusão, o PS irá apresentar uma proposta para a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito às perdas que foram registadas pelo Novo Banco desde a sua constituição, que levaram às injeções de capital do Fundo de Resolução com empréstimos do Estado”, anunciou João Paulo Correia, em declarações transmitidas pela RTP3.

O Bloco de Esquerda já tinha igualmente anunciado que iria propor uma comissão de inquérito à gestão do Novo Banco, mas querem focar-se em saber se as vendas de carteiras de ativos geraram perdas para o Estado. Os socialistas concordam, mas querem ir mais atrás, até ao processo de resolução do Banco Espírito Santo (BES). “Queremos um bom objeto mais amplo”, diz Correia. No enatnto, o PS acabou por recuar na intenção de se focarem também no período do Banco Espírito Santo, como incialmente tinham admitido.

Segundo o deputado, a proposta irá, da mesma forma, apontar para as vendas de carteiras, avaliação dos ativos antes dos contratos e eventual dano para o Estado. Além disso, a ideia é que a comissão abranja também:

  • a medida de resolução, o perímetro de resolução, o ativo e o passivo que foi decidido passar para o Novo Banco;
  • a venda foi falhada do BES em 2016;
  • a retransmissão das obrigações seniores que passaram para o Novo Banco no valor de dois mil milhões de euros que, “causaram um dano reputacional” ao rating da República e, consequentemente, aos juros da dívida pública;
  • a venda concretizada em 2017, bem como a envolvência da Autoridade da Concorrência, do Mecanismo Único de Supervisão do Banco Central Europeu;
  • os atos de gestão dos órgãos societários do Novo Banco, mais concretamente, as decisões tomadas nas vendas de ativos que geraram perdas e motivaram as injeções de capital por parte do Fundo de Resolução;
  • e a atuação dos governos, do Banco de Portugal, das Autoridades de Resolução, da comissão de acompanhamento e do Fundo de Resolução nas decisão que estas entidades partilharam com a administração do Novo Banco.

“Entendemos que esta comissão parlamentar de inquérito é necessária porque há dúvidas que permanecem. Queremos procurar a verdade para perceber se o interesse do Estado foi defendido por todas as entidades e todos os responsáveis envolvidos“, aponta João Paulo Correia. Apesar de auditoria da Deloitte apontar “pistas”, considera que “há áreas cinzentas que têm de ser escrutinadas”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS pede comissão de inquérito ao Novo Banco com “objeto mais amplo” que o BE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião