Alvarez & Marsal. Quem são os nova-iorquinos que António Ramalho chamou ao Novo Banco?

Gestor diz que a assessora Alantra concluiu que os imóveis foram vendidos a um preço justo, mas chamou uma consultora norte-americana independente para dar uma segunda garantia.

O CEO do Novo Banco, António Ramalho, revelou esta terça-feira que já recebeu o parecer independente encomendado que avalia as vendas de ativos imobiliários. A análise foi feita pela norte-americana Alvarez & Marsal, uma consultora global que se apresenta assim: “trabalhamos como conselheiros, líderes interinos e parceiros, que dizemos o que tem de saber, mas nem sempre o que quer ouvir“.

Num audição parlamentar esta terça-feira, Ramalho disse que vai entregar na Assembleia da República o resumo do parecer que tinha pedido a uma consultora independente. Adiantou já que os resultados confirmam o que já tinha sido dito pela Alantra: que as vendas foram feitas acima do preço do mercado e que foram vendas de grande qualidade.

Mas quem são estas pessoas que o gestor chamou para validar as polémicas alienações? Em 1983, Tony Alvarez e Bryan Marsal uniram-se com o objetivo de ajudar as empresas a “transformarem áreas de estagnação em crescimento de forma a alcançar resultados sustentáveis”, como explicam no seu site. No caso do Novo Banco, o segmento problemático são os ativos tóxicos, em grande parte herdados do Banco Espírito Santo (BES), que tem vindo a vender em pacotes.

A estratégia de colocar no mercado grandes carteiras de malparado acelera o processo de limpeza, mas os ativos são vendidos a um preço mais baixo. O desconto poderá gerar perdas para o Novo Banco e, consequentemente, agravar as necessidades de injeções de capital pelo Fundo de Resolução. A assessora das vendas, a Alantra, já tinha dado esta garantia, mas o CEO chamou também a consulta independente para assegurar que não era o caso.

A Alvarez & Marsal é uma consultora com sede nos EUA, que está presente em 24 países dos quatro continentes, sendo que não tem escritório em Lisboa. “Ao longo de mais de três décadas, a A&M estabeleceu o padrão no que diz respeito a ajudar organizações a lidarem com questões negociais complexas, melhorar o desempenho operacional e maximizar o valor para as partes interessadas”, explica.

Quanto ao que faz, a empresa garante que descobre e implementa a solução certa no momento e na forma certos. Aí estão abrangidos um rápido diagnóstico, ação exata e solução prática. “Somos uma empresa de consultoria conhecida por fazer perguntas difíceis, ser boa ouvinte, cavar e arregaçar as mangas. Somos orientados para factos e para a ação. Fazemos avançar os nossos clientes, para onde eles precisam de ir. Somos a A&M”, acrescenta.

Esta não é a primeira vez que o Novo Banco trabalha com esta consultora. O Novo Banco esteve impedido de reavaliar as suas posições em fundos de reestruturação até outubro de 2019 por acordo com o Fundo de Resolução, mas — por imposição do Banco Central Europeu — fê-lo já no fim do ano com recurso também à Alvarez & Marsal.

Segundo confirmou à Lusa o próprio banco, a consultora foi responsável pela reavaliação independente do valor das posições em seis fundos: o Fundo de Recuperação FCR, o Fundo Recuperação Turismo, o FLIT, o Fundo Reestruturação Empresarial, o Aquarius e o Discovery. O valor foi estabelecido em 557,2 milhões de euros, levando a um registo de perdas de 260,6 milhões de euros nas contas do primeiro semestre do ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alvarez & Marsal. Quem são os nova-iorquinos que António Ramalho chamou ao Novo Banco?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião