Novo Banco vendeu carteiras de imóveis e malparado por 258 milhões

A venda à Waterfall Asset Management e ao Cerberus Capital Management de duas carteiras avaliadas em perto de 800 milhões de euros, foi concretizada com um desconto face a essa quantia.

O Novo Banco anunciou a venda de duas carteiras de imóveis e crédito malparado no início da semana, dando agora conta ao mercado que o negócio foi feito por um montante global de cerca de 258 milhões de euros, 30% da respetiva avaliação.

Ao Cerberus foi vendido o “Projeto Sertorius”, tal como o ECO avançou em final de julho, uma carteira com um valor bruto contabilístico de 487,8 milhões de euros composta por 195 imóveis agregados, que se traduzem em 1.228 unidades individuais, com usos industrial, comercial, terrenos e residencial, incluindo estacionamentos.

De acordo com comunicado publicado no site da CMVM nesta quarta-feira, o banco liderado por António Ramalho revela que “o valor de venda da carteira a entidades indiretamente detidas por fundos geridos pela Cerberus Capital Management, ascendeu a 159 milhões de euros“.

O outro negócio diz respeito à venda à Waterfall Asset Management de uma carteira de ativos imobiliários e crédito não produtivo designada por “Projeto Albatroz””. A carteira foi contabilizada como tendo um valor bruto contabilístico de 308 milhões de euros, segundo o Novo Banco. Relativamente a esta operação, o valor de venda “ascendeu a 98,7 milhões de euros“, diz o comunicado do banco.

Somando dois valores acordados na venda das duas operações, estas ficam avaliadas em 258 milhões de euros, este valor representa 32,25% dos 800 milhões de euros a que estavam avaliadas.

“Estas operações não tiveram efeitos adicionais na conta de exploração face à valorização dos ativos nas contas do Novo Banco de 30 de junho de 2019 na medida em que já refletem o montante de 228,7 milhões de euros de provisões no semestre relacionadas com as referidas vendas de ativos”, dá conta o Novo Baco nesta quarta-feira.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco vendeu carteiras de imóveis e malparado por 258 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião