Trump volta a atacar Powell. “O nosso problema não é a China. É a Fed”

  • Lusa e ECO
  • 7 Agosto 2019

Em plena guerra comercial, o presidente dos EUA apontou o dedo ao banco central. Pede mais cortes nos juros de referência e acusa a instituição de ser "incompetente".

O Presidente norte-americano, Donald Trump, voltou esta quarta-feira a criticar o banco central norte-americano. O magnata usou o Twitter para exigir que a Reserva Federal (Fed) reduza as taxas de juro “mais depressa e com mais vigor” e acusou a instituição liderada por Jerome Powell de ser “incompetente”.

“Eles devem baixar as taxas mais depressa e com mais vigor (…). A incompetência é terrível de ver, sobretudo quando se sabe que tudo se resolveria facilmente”, escreveu na rede social Twitter.

O nosso problema não é a China (…) É a Reserva Federal que é demasiado orgulhosa para admitir que fez um disparate ao subir as taxas de juro muito depressa. (Eu tinha razão!), disse Trump, que fez referência à descida dos juros decidida hoje por três bancos centrais (Índia, Nova Zelândia e Tailândia).

Em plena guerra comercial entre China e Estados Unidos, após uma forte depreciação da moeda chinesa e depois da subida das taxas de juro decidida pela Fed na semana passada, os três bancos centrais surpreenderam os mercados ao baixar os juros.

O banco central da Nova Zelândia reduziu a taxa de juro para 1%, um mínimo histórico. O banco central indiano cortou a sua taxa de referência em 35 pontos base (para 5,4%) e a Tailândia decidiu um corte de 0,25 pontos percentuais para 1,5%.

Volcker, Greenspan, Bernanke e Yellen unem-se contra ataque à independência

No último ano, Donald Trump tem feito sucessivas críticas à Fed e, apesar do corte nas taxas de juro decidido há uma semana pelo banco central, não diminuiu a pressão, uma vez que enfrenta dificuldades nas negociações comerciais.

As críticas desta quarta-feira surgem um dia depois da publicação no Wall Street Journal de um texto assinado por quatro antigos presidentes da Fed – Paul Volcker, Alan Greenspan, Ben Bernanke e Janet Yellen – a pedirem respeito pela independência do banco central.

Volcker, Greenspan, Bernanke e Yellen destacam que “é fundamental preservar a capacidade do banco central tomar decisões com base nos interesses do país e não nos interesses de um pequeno grupo de políticos“.

O atual presidente da Fed, Jerome Powell, que assumiu o cargo em fevereiro de 2018, nomeado por Trump para um mandato de quatro anos, tem insistido na independência da instituição, defendendo que as suas decisões se baseiam exclusivamente em dados económicos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump volta a atacar Powell. “O nosso problema não é a China. É a Fed”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião