Ana Gomes afirma que há demasiado encosto entre Presidente e Governo

  • Lusa
  • 17 Setembro 2020

A candidata à presidência diz que "há demasiado encosto" entre o Presidente da República e o Governo e advertiu que num segundo mandato Marcelo Rebelo de Sousa tentará comandar o primeiro-ministro.

A ex-eurodeputada socialista Ana Gomes afirmou na quarta-feira à noite que “há demasiado encosto” entre o Presidente da República e o Governo e advertiu que num segundo mandato Marcelo Rebelo de Sousa tentará comandar o primeiro-ministro.

Ana Gomes, que na semana passada anunciou que irá candidatar-se a Presidente da República, assumiu estas posições numa entrevista à RTP3, durante a qual também revelou que vai ser apoiada por Isabel Soares, filha do antigo chefe de Estado e fundador do PS, Mário Soares.

Durante a entrevista, a diplomata fez sobretudo críticas à atuação do chefe de Estado e à linha política seguida pela direção do seu partido em relação às eleições presidenciais de 2021.

“Mesmo que fosse o meu melhor amigo, eu jamais teria tolerado com um sorriso embaraçado ou cúmplice que um primeiro-ministro lançasse a minha recandidatura à Presidência da República, que foi aquilo que se passou naquele episódio na fábrica da Autoeuropa”, em abril, entre Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa, referiu Ana Gomes.

Ana Gomes acusou também Marcelo Rebelo de Sousa de “estar completamente ausente do debate sobre as grandes prioridades estratégicas de Portugal“, embora esteja sempre “a comentar a espuma dos dias”, mas insurgiu-se principalmente sobre o sistema de relações entre os órgãos de soberania Presidência da República e Governo.

“Repito que faço um mandato globalmente positivo do Presidente da República, mas acho que cada macaco no seu galho. Há demasiado encosto do Presidente ao Governo e do Governo ao Presidente”, apontou.

Na entrevista, a ex-eurodeputada procurou também dirigir várias mensagens aos eleitores do espaço do PS, chegando mesmo a dizer que Marcelo Rebelo de Sousa não pode ser apoiado “por verdadeiros socialistas”.

“Somos diferentes. Eu sou progressista e ele é conservador”, disse, procurando traçar aqui uma linha de demarcação de caráter ideológico.

Mas Ana Gomes foi mais longe com um aviso sobre o que poderá ser um segundo mandato de Marcelo Rebelo de Sousa como Presidente da República.

Dá ideia de que um dia vai querer de facto comandar quem quer que exerça o cargo de primeiro-ministro. Está-lhe na massa do sangue, do tipo de jogos em que ele se compraz, o tipo de percurso político nos bastidores da política em que ele sempre foi exímio. Ora bem, eu acho que este é o momento para os socialistas pensarem bem que, se se mobilizarem, podem ter alternativa”, disse.

Em relação ao PS, Ana Gomes afirmou esperar que este partido dê liberdade de voto aos seus militantes nas próximas eleições presidenciais e recorreu ao passado das décadas de 80 e 90 para tirar a seguinte conclusão: “Sempre que o PS esteve unido nas eleições presidenciais fez a diferença, elegendo Mário Soares e Jorge Sampaio; sempre que o PS esteve desunido ou não foi a jogo, a direita ganhou”.

A ex-eurodeputada socialista tentou ainda estabelecer diferenças face a outras candidaturas presidenciais já anunciadas, como as de João Ferreira, do PCP, e de Marisa Matias, do Bloco de Esquerda, classificando-as como “candidaturas partidárias”.

Questionada sobre o líder do Chega, a diplomata respondeu que não o conhece pessoalmente e considerou “uma medalha de honra” André Ventura caracterizá-la como “candidata cigana”, salientando que a extrema-direita é a sua inimiga nas próximas eleições presidenciais.

Já na parte final da entrevista, Ana Gomes foi confrontada com as acusações de que é populista, faz julgamentos na praça pública e desrespeita a presunção da inocência, mas rejeitou-as.

“Fiz denúncias escritas sempre com a minha cara e nunca anónimas. Vi foi muitas vezes as instâncias de justiça serem abafadas para que não se fizesse justiça, como nos casos dos submarinos ou do apagão fiscal”, contrapôs.

Depois, a ex-eurodeputada do PS voltou a criticar a atitude “altamente questionável” do primeiro-ministro, António Costa, manifestar apoio à recandidatura do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira.

“Isso sim é que é uma deriva populista. E não foi só do primeiro-ministro”, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ana Gomes afirma que há demasiado encosto entre Presidente e Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião