Banco BNI Europa corta 40% do pessoal após falhanço na venda a chineses

Banco português detido pelo angolanos do BNI conta atualmente com 70 trabalhadores, depois da saída de mais de quatro dezenas de funcionários nos últimos meses. Não prevê mais saídas.

O BNI Europa, detido pelo angolano BNI, cortou 40% do número de trabalhadores nos últimos meses, na sequência do falhanço da venda do banco ao grupo chinês KWG e da deterioração das condições do mercado devido à situação de pandemia.

As saídas atingiram cerca de 45 trabalhadores, com o banco liderado por Pedro Pinto Coelho a não perspetivar “para já” mais dispensas do quadro de pessoal que conta, atualmente, com 70 colaboradores.

Contactado pelo ECO, o BNI Europa justifica a redução com as “circunstâncias decorrentes da não concretização de operação de alienação de participação no respetivo capital social a investidor estrangeiro” e com “as atuais e prospetivas condições de mercado, significativamente afetadas pela pandemia Covid-19”.

Foi este contexto adverso que levou o banco a “redimensionar a sua estrutura e modo de funcionamento, com vista a dotá-lo de maior funcionalidade e articulação interna/externa, a par da melhoria da eficiência/eficácia e performance num contexto de racionalização de custos”, adiantou fonte oficial do BNI Europa ao ECO.

Prejuízos de 2,25 milhões, aumento de capital de 7,5 milhões

O processo de reestruturação era já esperado depois de o grupo KWG ter deixado cair o negócio de compra de 80% do capital do banco no passado mês de abril devido ao Covid-19 e às incertezas económicas e financeiras decorrentes da pandemia. A operação já tinha passado pelo crivo do supervisor europeu, mas os chineses voltaram atrás com a transação face à nova realidade.

Já na altura o BNI Europa sublinhava que esse revés iria obrigar a “uma revisão do plano de negócios, adequando-o às novas circunstâncias e ao atual momento da economia mundial”.

Apesar das mudanças, o banco, que terminou o primeiro trimestre com prejuízos de 2,25 milhões de euros e já realizou dois aumentos de capital no valor de 7,5 milhões este ano, frisa que “mantém o compromisso de, com o apoio do seu acionista único, continuar a disponibilizar produtos e serviços aos seus clientes com os mesmos padrões de qualidade, rigor e transparência”.

O BNI Europa é detido pelo banco angolano BNI, do qual Mário Palhares é principal acionista e se prepara para regressar ao cargo de CEO, de acordo com a imprensa angolana. Tal como a subsidiária portuguesa, também o BNI vai sofrer um forte ajustamento no número de trabalhadores, com o jornal Luanda Post a avançar com 350 saídas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco BNI Europa corta 40% do pessoal após falhanço na venda a chineses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião