Nas notícias lá fora: Caixabank, Reino Unido e Facebook

Caixabank avalia Bankia em 4,3 mil milhões, será o maior banco espanhol. Retalho aumentou no Reino Unido para níveis antes Covid-19. Facebook impõe restrição a discussões politicas entre funcionários.

O Caixabank espanhol avaliou a Bankia em 4,3 mil milhões de euros como parte de um negócio de ações para criar o maior banco nacional de Espanha. No Reino Unido, as vendas a retalho aumentam em agosto para níveis antes da pandemia. O Facebook anunciou novas diretrizes que impõem restrições a discussões políticas entre funcionários. A ministra francesa do Emprego, Elisabeth Borne, disse que o trabalho remoto “continua a ser uma prática altamente recomendada”, já que França registou 10.593 de novos casos nas últimas quinta-feira, um novo recorde de casos positivos num único dia. A Tesla ganhou o processo que estava a decorrer desde 2018 contra antigo empregado acusado de roubar informação.

Reuters

Caixabank avalia Bankia em 4,3 mil milhões de euros. Será o maior banco espanhol

O Caixabank espanhol avaliou a Bankia em 4,3 mil milhões de euros (5,10 mil milhões de dólares) como parte de um negócio de ações para criar o maior banco nacional de Espanha com mais de 664 mil milhões de euros em ativos totais. Os bancos assinaram numa declaração conjunta esta sexta-feira e esperam sinergias de custos anuais na ordem dos 770 milhões de euros que serão totalmente alcançadas até 2023 e novas receitas anuais de cerca de 290 milhões de euros ao longo de um período de cinco anos. Os credores terão uma valorização combinada de mais de 16 mil milhões de euros, afirmaram. O negócio foi descrito como uma fusão, mas é uma aquisição pelo Caixabank, pois é quase três vezes maior do que a Bankia em termos de valor de mercado e quase duas vezes em ativos.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

Flip Board

Vendas a retalho no Reino Unido aumentam em agosto para níveis antes da pandemia

O comércio de retalho aumentou ligeiramente no Reino Unido e as vendas ultrapassaram os níveis antes da pandemia. Os volumes de vendas a retalho aumentaram 0,8% em agosto, de acordo com dados do gabinete de estatísticas nacionais, ligeiramente acima da média de 0,7% prevista numa sondagem da Reuters. Já no mês de julho as vendas a retalho britânicas ultrapassaram os níveis pré-Covid-19. O Banco de Inglaterra disse na quinta-feira que a economia britânica estava preparada para uma recuperação mais rápida que a prevista em agosto, mas, mesmo assim, espera-se que a produção no período julho-setembro seja 7% mais baixa em comparação ao último trimestre do ano passado.

Leia a notícia completa na Flip Board (acesso livre, conteúdo em inglês).

The Guardian

Trabalho remoto ainda é altamente recomendado, diz ministra do emprego

A ministra francesa do Emprego, Elisabeth Borne, disse esta sexta-feira que trabalhar a partir de casa continua a ser altamente recomendado. “Continua a ser uma prática altamente recomendada”, disse Elisabeth Borne à rádio Sud. Na quinta-feira, França registou 10.593 novos casos nas últimas 24 horas, um novo recorde de casos positivos num único dia, elevando o número total de casos desde o início da pandemia para 415.481, revelaram as autoridades francesas. O número de mortes também aumentou para 50, sendo que o número total de óbitos desde o início da pandemia no país é de 31.095 e 20.567 dessas mortes aconteceram em meio hospitalar.

Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre, conteúdo em inglês)

Financial Post

Facebook impõe restrição a discussões políticas entre funcionários

O Facebook anunciou novas diretrizes que limitam a discussão entre funcionários no que respeita a questões políticas e sociais. “Estamos a atualizar as nossas políticas e instrumentos de trabalho dos nossos funcionários para garantir que a nossa cultura se mantém respeitosa e inclusiva”, disse Joe Osborne, porta-voz da empresa liderada por Mark Zuckerberg. Joe Osborne disse que as novas regras se aplicariam às discussões dos funcionários sobre a forma como os executivos lidam com conteúdos politicamente sensíveis nas plataformas do Facebook, à qual foi objeto de intensos debates internos este verão. À semelhança do Facebook, a Google também disse esta semana disse que iria expandir o uso de moderação nos quadros de mensagens internos, citando “conversas globais duras”, informou a CNBC.

Leia a notícia completa no Financial Post (acesso livre, conteúdo em inglês).

Yahoo Finance

Tesla ganha processo contra antigo empregado acusado de transferir dados

A Tesla ganhou o processo contra antigo colaborador que foi despedido por hacking e transferir dados privados da empresa para terceiros, de acordo com os documentos do tribunal arquivados na quinta-feira. O fabricante americano de carros elétricos apresentou em 2018 uma ação judicial contra Martin Tripp, que trabalhava anteriormente na fábrica Tesla Gigafactory em Nevada, acusando-o de roubar informação e fazer falsas alegações aos meios de comunicação social. No processo original, a empresa disse que Tripp “admitiu ter escrito um software para hackear o sistema operacional de fabricação da Tesla e transferiu vários gigabytes de dados da Tesla para entidades externas”, incluindo fotografias e vídeos confidenciais do sistema.

Leia a notícia completa no Yahoo Finance (acesso pago, conteúdo em inglês).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nas notícias lá fora: Caixabank, Reino Unido e Facebook

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião