Novo Banco lança balcões Master no Porto e Lisboa este ano

  • ECO
  • 21 Setembro 2020

Banco está a rever o modelo de distribuição e prevê lançar até final do ano balcões de grandes dimensões no Porto e Lisboa, por via da fusão de balcões que vai encerrar.

Com o encerramento de 20 balcões até final do ano, o Novo Banco vai lançar um novo modelo de agência de grandes dimensões. Porto e Lisboa vão receber ainda este ano os chamados balcões “Master”, espaços com mais de 600 m2, de acesso fácil e mais evoluídos tecnologicamente.

O banco está a rever o seu modelo de distribuição para se adaptar às mudanças nos hábitos dos clientes, tal como disse o presidente da instituição, António Ramalho, esta semana. “A verdade é que o mercado está a mudar, as necessidades dos consumidores estão a mudar e é normal que aquilo que é a tradicional distribuição de balcões venha a mudar sobretudo nos centros urbanos”, afirmou o CEO do Novo Banco no Parlamento.

“Estamos a analisar com cautela as transformações em que estamos a trabalhar para um banco novo. É esse banco novo que queremos desenvolver”, adiantou ainda.

Com efeito, dentro dessas mudanças rumo a um “novo banco”, a instituição vai ter um novo modelo de agência de maiores dimensões e com maior oferta tecnológica no serviço ao cliente.

O balcão “Master” — assim são designados — terão mais de 600 metros quadrados, e estarão dotados, por exemplo, de equipamentos digitais para a formalização de operações, de máquinas VTM (Virtual Teller Machine) para a realização de depósitos e levantamentos de notas, moedas e cheques. Estas agências contemplarão ainda bem espaços para a realização de reuniões com clientes e de outros eventos.

Os primeiros destes balcões são ser lançados nas duas principais cidades: no Porto, o Novo Banco abrirá um “Master” no Palácio dos Correios, na Avenida dos Aliados; já a Avenida da República é o local escolhido para Lisboa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco lança balcões Master no Porto e Lisboa este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião