Didimo fecha ronda de investimento de um milhão durante a pandemia

Com esta ronda de financiamento, a startup portuguesa quer alargar a equipa e apostar no desenvolvimento de produto, numa altura que se prepara para lançar nova versão da app para iOS e Android.

A Didimo, startup portuguesa que cria avatares, fechou uma ronda de investimentos no valor de um milhão de euros durante a pandemia, anunciou a empresa em comunicado. A ronda de financiamento foi liderada pela Armilar Venture Partners, com a participação da Bright Pixel e da PME Investimentos, e soma-se assim aos sete milhões de euros angariados pela empresa no final do ano passado.

Voltar a atrair capital representa um enorme incentivo para a equipa e prova que a nossa missão de derrubar as barreiras entre os mundos físico e digital é relevante para o mercado. Vamos continuar a trabalhar para devolver a humanidade às interações digitais”, destaca a fundadora e CEO, Veronica Orvalho, citada em comunicado.

Com este investimento, a startup portuguesa quer apostar no desenvolvimento de produto e expandir a equipa. Num momento que se prepara para lançar no mercado a nova versão da sua plataforma e da aplicação para iOS e Android, a empresa — que conta com 27 colaboradores — revela que quer chegar ao final do ano com 35.

A Didimo, palavra que significa “gémeo” em grego, possibilita que qualquer pessoa crie, de forma fácil e rápida, modelos digitais realistas que as empresas e os indivíduos podem utilizar para interagir e fornecer serviços online. E foi esta facilidade que impressionou a Armilar Venture Partners.

“Ficámos impressionados com a tecnologia de Didimo, mais especificamente pela capacidade de criar avatares realistas a partir de inputs simples, como uma fotografia tirada com um telemóvel, e compactar em poucos minutos o que tradicionalmente leva vários dias de estúdio, o trabalho de vários artistas e diferentes componentes de software. Esta solução abre novas oportunidades em setores cuja digitalização tem vindo a ser acelerada pela pandemia, como o entretenimento, gaming e retalho online”, explica Pedro Ribeiro Santos, partner da Armilar Venture Partners.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Didimo fecha ronda de investimento de um milhão durante a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião