França contra regresso às regras orçamentais da UE pré-crise Covid-19

  • Lusa
  • 22 Setembro 2020

Secretário de Estado dos Assuntos Europeus francês opõe-se a um regresso às regras de disciplina orçamental que vigoravam na União Europeia.

O secretário de Estado dos Assuntos Europeus francês, Clément Beaune, disse esta terça-feira que se opõe a um regresso às regras de disciplina orçamental que vigoravam na União Europeia até serem suspensas devido à crise provocada pela covid-19.

“Não podemos imaginar que seja restabelecido o mesmo Pacto [de Estabilidade e Crescimento (PEC), que consagra essas regras]. São precisas regras orçamentais? Sem dúvida. É preciso revê-las? Sem dúvida, também”, disse o governante em entrevista à AFP.

A União Europeia (UE) suspendeu em março a aplicação das regras do PEC, que define entre outras a obrigação de os Estados-membros manterem o défice público abaixo de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) e a dívida pública abaixo dos 60% do mesmo indicador.

Depois da suspensão, os governos europeus anunciaram milhares de milhões de despesa pública para reforçar os respetivos sistemas de saúde ou para apoiar a atividade económica, as empresas e o emprego, face ao impacto económico da pandemia provocada pelo novo coronavírus.

Na reunião de ministros das Finanças da zona euro de 11 de setembro, o comissário europeu da Economia, Paolo Gentiloni, escusou-se a apontar uma data para uma reposição das regras orçamentais, advertindo contra um restabelecimento prematuro, que pode ter um impacto negativo na recuperação económica da UE.

“Não poderemos voltar a aplicar o PEC tal como era antes, porque a crise aconteceu, porque estamos numa fase em que vai ser preciso, ainda mais do que antes da crise, investir nas nossas economias”, insistiu o secretário de Estado francês, citando a transição digital e ambiental, apontadas como prioridade pela UE.

“No fim da crise teremos, por toda a Europa, níveis de défice, mas ainda mais de dívida, que serão muito diferentes dos que o mundo conheceu nos últimos anos”, afirmou.

A Comissão Europeia prometeu manter a suspensão das regras orçamentais até 2021, prevendo uma reavaliação da situação “na primavera de 2021” e tendo em conta a atualização das projeções macroeconómicas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França contra regresso às regras orçamentais da UE pré-crise Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião