Powell avisa que PME norte-americanas podem precisar de “apoio orçamental direto”

O presidente da Fed tende a acreditar que as pequenas e médias empresas (PME) norte-americanas precisarão de "apoio orçamental direto", ao invés de empréstimos do banco central.

O presidente da Fed prepara-se para avisar o Congresso dos EUA de que as pequenas e médias empresas (PME) norte-americanas, fortemente penalizadas pela crise do novo coronavírus, poderão vir a precisar de “apoio orçamental direto”, em detrimento de empréstimos do banco central.

A declaração, citada pelo Financial Times (acesso pago), faz parte do discurso escrito de Jerome Powell, conhecido em antecipação no dia em que o responsável será ouvido no comité dos serviços financeiros na Câmara dos Representantes.

Por outras palavras, Powell deverá alertar os responsáveis políticos para a eventualidade de terem de injetar dinheiro diretamente nas empresas, ao invés da atual aposta em estímulos indiretos à economia por via orçamental e da política monetária que já tem sido seguida pelo organismo que lidera.

É ainda esperado que o líder da Fed responda às críticas de que os estímulos monetários não ajudaram devidamente a “Main Street”, termo que é usado na América para representar a sociedade e as famílias comuns, em comparação com a alta finança e os multimilionários de Wall Street, Nova Iorque.

Powell deverá ainda dizer que “uma recuperação completa” só deverá verificar-se quando as pessoas ganharem a “confiança de que é seguro voltarem a envolver-se num conjunto alargado de atividades”. Declarações que devem ser vistas à luz do aumento do número de casos de Covid-19 que está a ser reportado, numa altura em que o mundo se aproxima do primeiro milhão de mortes provocadas pela doença.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Powell avisa que PME norte-americanas podem precisar de “apoio orçamental direto”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião