José Neves é o primeiro português a integrar movimento de Bill Gates. Vai doar dois terços da fortuna

  • Pessoas
  • 23 Setembro 2020

O empresário José Neves, fundador da Farfetch, é o primeiro português a juntar-se à organização The Giving Pledge. Compromete-se a doar pelo menos dois terços da sua fortuna à sua própria fundação.

José Neves, fundador da Farfetch, tornou-se signatário da organização filantrópica The Giving Pledge, um movimento filantrópico fundado por Bill Gates, Melinda Gates e Warren Buffett, em que os signatários se comprometem a doar pelo menos metade dos seus ativos e bens. O empresário compromete-se a doar dois terços dos seus ativos ao longo da vida, através da Fundação José Neves, anunciada a 17 de setembro, com grande foco na educação.

O The Giving Pledge é um movimento criado em 2010 e que integra 211 das personalidades mais ricas de 24 nacionalidades, que estão dispostas a doar parte das suas fortunas para causas filantrópicas, atuando em causas tão diversas como o combate à pobreza, a reforma da justiça, o auxílio em catástrofes, a educação ou a saúde e investigação médica. Trata-se de um compromisso moral, que inspira os signatários a tornar públicas as suas intenções e planos filantrópicos, tornando-se catalisadores de uma nova norma social e moral, de uma forma diferente de dar e melhorar o mundo.

São signatários do The Giving Pledge, entre outros, os fundadores, Bill e Melinda Gates e Warren Buffett, o fundador do Facebook Mark Zuckerberg e ainda o CEO da Tesla, Elon Musk.

Esta missão traduz-se em quatro pilares de atuação, através dos quais serão desenvolvidos programas e ferramentas práticas para que os portugueses possam aprender ao longo da vida: a promoção do acesso à aprendizagem, o potenciar de competências para o futuro, o projetar da educação de futuro e o despertar do desenvolvimento pessoal.

O primeiro passo da Fundação José Neves será o empréstimo de 5 milhões de euros a 1.500 estudantes para investirem na sua formação. O objetivo de José Neves é ajudar a “transformar Portugal numa sociedade de conhecimento e de colocar o país na liderança do desenvolvimento humano”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

José Neves é o primeiro português a integrar movimento de Bill Gates. Vai doar dois terços da fortuna

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião