Negociações UE-Reino Unido da próxima semana sobre Brexit são cruciais para acordo em outubro

  • Lusa
  • 23 Setembro 2020

As negociações da próxima semana entre UE e Reino Unido são cruciais para chegar a acordo o antes do Conselho Europeu de 15 de outubro, segundo a professora de Direito na Universidade de Cambridge.

As negociações da próxima semana entre União Europeia (UE) e Reino Unido são cruciais para concluir um acordo de comércio antes do Conselho Europeu de 15 de outubro, afirmou esta quarta-feira a professora de Direito na Universidade de Cambridge, Catherine Barnard.

Para chegarmos a qualquer tipo de acordo para estar pronto a 15 de outubro, tem de existir um texto final na primeira semana de outubro, ou seja, na próxima ronda de negociações. É muito pouco tempo”, afirmou esta quarta-feira, durante um evento do instituto académico britânico UK in a Changing Europe.

A nona ronda entre as duas equipas de negociação está prevista para a semana entre 28 de setembro e 02 de outubro.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou no início deste mês querer chegar a um acordo antes do Conselho Europeu de 15 de outubro, para que seja possível entrar em vigor até ao final do ano, fim do período de transição pós-Brexit.

“Se não conseguirmos chegar a um acordo até lá, penso que não haverá um acordo de comércio livre entre nós, e devemos aceitá-lo e seguir em frente”, acrescentou Johnson.

Barnard admite que a proposta de lei para o Mercado Interno no Reino Unido, que anula provisões do Acordo de Saída do Reino Unido da União Europeia (UE) relativas à Irlanda do Norte, “não ajudou” e afetou a confiança de Bruxelas em Londres. Porém, acredita que continua a existir interesse num entendimento e que é provável um acordo bastante limitado e sem referência a questões de segurança.

A especialista em direito europeu falava num evento de lançamento de um relatório do UK in a Changing Europe sobre o impacto no Reino Unido de uma ausência de acordo, o que implicará que o comércio entre as duas partes passe a ser feito nos termos da Organização Mundial do Comércio.

Segundo o estudo, o Reino Unido poderá ver reduzido o Produto Interno Bruto (PIB) em cerca de 8% na próxima década, semelhante aos 7,6% estimados pelo próprio governo britânico num documento oficial de novembro de 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Negociações UE-Reino Unido da próxima semana sobre Brexit são cruciais para acordo em outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião