Tesla quer ter carro elétrico por 25 mil dólares em 2023

No "Dia da Bateria", o presidente executivo da Tesla anunciou que a empresa planeia comercializar um carro elétrico a 25 mil dólares em 2023, um preço mais acessível que o dos atuais modelos da marca.

A Tesla pretende comercializar um carro elétrico a 25 mil dólares em 2023, um preço significativamente mais acessível que o dos modelos atuais da marca e em linha com o de alguns automóveis com motores a combustão.

Numa apresentação aos investidores esta terça-feira à noite, Elon Musk explicou que a redução do preço deverá resultar do corte nos custos da produção de baterias, uma das componentes mais sensíveis dos carros elétricos. Apesar da nova promessa, o CEO da Tesla ainda não cumpriu a anterior: vender um automóvel a 35 mil dólares.

“Este é o nosso sonho desde o início”, sublinhou Elon Musk. “Em cerca de três anos a contar a partir de agora, estamos confiantes de que podemos comercializar um atraente veículo elétrico por 25.000 dólares (cerca de 21.3026 euros) e que também será totalmente autónomo“, apontou, citado pela Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

No “Dia da Bateria”, o presidente executivo da Tesla anunciou ainda que espera que as vendas da fabricante norte-americana cresçam na ordem dos 30% a 40% este ano, numa altura em que o setor está a recuperar da queda a pique provocada pela pandemia. “Enquanto o resto da indústria caiu, a Tesla subiu”, apontou Musk.

Assim, a confirmar-se, a Tesla tenciona vender cerca de 500.000 veículos em 2020. Em julho, a fabricante tinha dito que seria “mais difícil” cumprir essa meta dada a paralisação da produção provocada pela pandemia. Estimativas apontam para uma queda das vendas a nível mundial de 17% para este ano, ou seja, 75 milhões de veículos, contra os 90 milhões vendidos em todo o mundo no ano passado, revela um estudo da LMC Automotive.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tesla quer ter carro elétrico por 25 mil dólares em 2023

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião