Governo baixa para 65 euros preço dos testes pago pelo SNS a privados

  • Lusa
  • 25 Setembro 2020

Ministério da Saúde atualizou o preço dos testes, de 87,95 para 65 euros. Esta descida está em linha com a evolução dos preços" dos testes a nível europeu.

O Ministério da Saúde baixou para 65 euros o preço dos testes de diagnóstico do novo coronavírus, pago pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS) às entidades convencionadas da área de análises clínicas.

Em comunicado, o ministério informa que a atualização do preço dos testes, de 87,95 euros para 65 euros, entra em vigor no sábado, “no mesmo dia que é renovado por mais um mês o regime excecional aprovado em março no âmbito das convenções estabelecidas”.

Segundo o ministério, o preço de 87,95 euros definido em março “refletia as condições internacionais adversas do mercado, designadamente a escassez de reagentes verificada a nível mundial e os consequentes preços”. “O cenário é hoje diferente, verificando-se uma estabilização dos preços de mercado dos produtos utilizados”, nomeadamente dos reagentes, frisa o ministério, justificando assim a descia do preço dos testes a pagar pelo SNS às entidades convencionadas.

A atualização do preço dos testes tinha sido anunciada pela ministra da Saúde, Marta Temido, na conferência de imprensa desta sexta-feira para atualização de informação relativa à infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 que provoca a Covid-19.

A ministra disse que o novo preço definido “está em linha com a evolução dos preços” dos testes a nível europeu e “resulta da informação técnica elaborada por várias entidades do Ministério da Saúde e também da redução de custos que se tem verificado, em particular no que se refere à componente analítica”.

O novo preço também “está em linha” com duas preocupações do Ministério da Saúde, nomeadamente com os custos de contexto dos prestadores convencionados face à sua capilaridade e “sobretudo com a estabilidade do serviço prestado à comunidade”. Para a definição do novo preço, foram ouvidas as associações do setor, a Associação Nacional de Laboratórios e a Associação Portuguesa de Analistas Clínicos, refere o ministério, frisando que “continua a reconhecer o importante contributo deste setor de atividade no combate à pandemia”.

De acordo com os dados ainda provisórios da Administração Central do Sistema de Saúde, o valor global faturado pelas entidades convencionadas em testes de Covid-19 “ascende a 32,2 milhões de euros até agosto”, um valor que “não inclui os testes adquiridos pelo Estado, através de outras áreas setoriais”, informa o ministério.

Segundo dados divulgados esta sexta-feira na conferência de imprensa por Marta Temido, desde o início deste mês e até hoje, foram feitos em média 18.238 testes de despiste de covid-19 por dia em Portugal e o dia 16 deste mês foi, até agora, o dia em que se fizeram mais testes, num total de 23.453.

Do total de testes, cerca de 48% foram realizados em laboratório públicos, 41% em laboratórios privados e pouco mais de 11% em laboratórios de instituições de ensino superior.

A pandemia da Covid-19 já provocou pelo menos 984.068 mortos e cerca de 32,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 1.936 pessoas dos 72.055 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo baixa para 65 euros preço dos testes pago pelo SNS a privados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião