Há 899 novos casos de Covid-19. Morreram mais cinco pessoas

  • ECO
  • 25 Setembro 2020

O número de pessoas infetadas com coronavírus continua a aumentar e, nas últimas 24 horas, registaram-se 899 novos casos. A maioria continua a concentrar-se na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Foram encontrados 899 novos casos de coronavírus nas últimas 24 horas, elevando para 72.055 o número total de pessoas infetadas com a doença. A região de Lisboa e Vale do Tejo continua a concentrar o maior número de novas infeções, com 56% do total. Morreram mais cinco pessoas desde esta quinta-feira.

Do número total de infetados, a esmagadora maioria está a fazer o tratamento em casa, sendo que apenas 624 estão internados em unidades hospitalares, dos quais 86 nos cuidados intensivos. Há mais de 42 mil pessoas sob vigilância das autoridades de saúde.

Desde que foi detetado em Portugal, no início de março, o coronavírus já provocou a morte a 1.936 pessoas, cinco das quais nas últimas 24 horas. A taxa de letalidade está atualmente nos 2,7%, aumentando para os 13,8% no caso de pessoas com mais de 70 anos, adiantou a ministra da Saúde, em conferência de imprensa. O número de recuperados está atualmente nos 47.003.

Boletim epidemiológico de 25 de setembro

Tal como se tem observado nos últimos tempos, a região de Lisboa e Vale do Tejo concentra a maioria das novas infeções. Dos 899 novos casos registados nas últimas 24 horas, 505 foram nesta região: 56,17% do total do país.

Lisboa é a região com mais casos registados até ao momento (36.904 casos de infeção e 742 mortes), à frente do Norte (25.869 casos e 878 mortes), do Centro (5.885 casos e 259 mortes), do Algarve (1.513 casos e 19 mortes) e do Alentejo (1.412 casos e 23 mortes). Nas ilhas, os Açores registam 261 casos e 15 mortos, enquanto a Madeira tem 211 pessoas infetadas.

Marta Temido referiu que há atualmente 287 surtos ativos no país, sendo que o “norte é a zona com mais surtos neste momento”, ligados a restaurantes em Vila do Conde e a uma viagem em Vila Nova de Gaia. A ministra recusou a ideia de esta ser uma “segunda vaga”, afirmando que se trata, sim, de uma “terceira fase”. “Nunca atingimos a base. Estamos num terceiro momento, não sei se é a segunda fase. Eu diria que é uma terceira fase, pelo menos daquilo que temos enfrentado”, disse.

Ministra recomenda a app StayAway Covid

Na conferência de imprensa, a ministra da Saúde aconselhou as pessoas a transferirem a aplicação StayAway Covid para o telemóvel, adiantando que já houve mais de 1.100 downloads. Marta Temido notou que, através da app, já foram reportados 76 casos positivos.

Durante o mês de setembro já foram realizados, em média, 18.238 testes por dia. “Continuamos a realizar um número crescente de testes por dia”, disse a ministra, notando que o passado dia 16 de setembro foi aquele em que se fizeram mais testes: 23.453. “Do total de testes, cerca de 48% são realizados em laboratórios públicos, 41% em privados e um pouco mais de 11% em laboratórios de entidades do setor das instituições de ensino superior”.

Marta Temido disse ainda que o Ministério da Saúde vai “atualizar o preço dos testes pagos pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS) às entidades convencionadas” e que “o valor definido resulta de informação técnica”. O novo preço, disse a ministra, “está em linha com a evolução dos preços dos testes nos outros países europeus”.

Também presente na conferência de imprensa esteve Raquel Guiomar, perita do Instituto Ricardo Jorge, que adiantou que está a ser avaliada uma nova geração de testes. “Estes novos testes têm vantagens, permitem obter um resultado de forma rápida, são de baixa complexidade de execução e permitem fazer o diagnóstico perto do doente”, disse.

A vacinação contra a gripe começa na próxima segunda-feira e há 335.000 doses disponíveis. “Esta é a altura certa para começar a primeira fase” da vacinação, disse a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas. “335.000 doses estão neste momento distribuídas nos nossos serviços”.

(Notícia atualizada às 15h21 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 899 novos casos de Covid-19. Morreram mais cinco pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião