Seis em cada dez grandes empresas apostaram na inovação

  • Lusa
  • 25 Setembro 2020

No triénio 2016-2018, 32,4% das empresas com 10 ou mais pessoas ao serviço tiveram algum tipo de atividade de inovação. São as grandes empresas que mais apostam na inovação, com 61,5% a fazê-lo.

Quase um terço das empresas (32,4%) com 10 ou mais trabalhadores teve algum tipo de atividade de inovação entre 2016-2018, percentagem que sobe para 61,5% em empresas com mais de 250 trabalhadores, segundo o INE.

O Inquérito Comunitário à Inovação 2016-2018 permitiu ainda saber que 23% das empresas em Portugal desenvolveram inovação de produto (bens e/ou serviços), 28% inovação de processo e 31,4% inovação de produto e/ou processo.

As empresas com 250 ou mais pessoas ao serviço revelaram maior peso na dinâmica da inovação empresarial (61,5%), realça o documento no qual são apresentados os principais resultados sobre inovação empresarial, com base nos dados recolhidos no Inquérito Comunitário à Inovação (CIS), uma edição conjunta da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) e do INE.

Por atividade económica, o destaque vai para os setores da informação e comunicação (57,4%), das atividades financeiras e de seguros (45,4%) e da indústria (37,8%).

O INE refere ainda que em 2018, a despesa total com atividades de inovação somou 2.599 milhões de euros, o que representa 3,2% do Valor Acrescentado Bruto (VAB) total das empresas com 10 ou mais pessoas ao serviço.

Além disso, esclarece que esta percentagem variou entre 0,7% nos setores de energia e água e construção e atividades imobiliárias e 6,1% no setor da Informação e comunicação.

Naquele ano, 11,2% do volume de negócios das empresas resultou da introdução de produtos novos ou melhorados no mercado, sendo 7% resultado da introdução de produtos novos para a empresa e 4,2% da introdução de produtos novos no mercado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seis em cada dez grandes empresas apostaram na inovação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião