Receios sobre recuperação económica pesam em Wall Street. Apenas tecnológicas resistem

Quedas do Dow Jones e do S&P 500 levam Wall Street a encaminhar-se para a quarta perda semanal consecutiva. Por outro lado, as cotadas tecnológicas conseguem ficar acima da linha de água.

As bolsas norte-americanas estão em queda nesta última sessão da semana, com receios quanto à recuperação económica da pandemia a pesarem no sentimento dos investidores. Tal como na última sessão, marcada pela volatilidade, apenas as tecnológicas registam valorizações.

Depois de várias semanas de impasse no Congresso dos EUA, as conversações estão finalmente a avançar para um novo pacote de estímulos, no valor de 2,2 biliões de dólares. Apesar deste sinal, os investidores continuam receosos quanto ao ritmo da recuperação, nomeadamente depois de terem sido conhecidos dados relativos aos pedidos de subsídio de desemprego piores do que o esperado.

Wall Street encaminha-se para a quarta perda semanal consecutiva. O industrial Dow Jones cai 0,45%, para 26.694,51 pontos, enquanto o S&P 500 recua 0,31%, para 3.236,66 pontos. Já o tecnológico ​Nasdaq foge à tendência, ficando ligeiramente acima da linha de água, ao subir 0,08%, para 10.680,46 pontos.

As tecnológicas destacam-se assim nos ganhos. A Apple avança 0,53% para os 108,79 dólares, a Amazon sobe 0,74% para os 3.042,03 dólares e a Microsoft ganha 0,054% para os 203,30 dólares.

Nota também para a Boeing, que sobe 2,29% para os 149,40 dólares depois do principal regulador de segurança da aviação da Europa dizer que o 737 Max poderia receber “luz verde” para retomar os voos em novembro e entrar em serviço até ao final do ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receios sobre recuperação económica pesam em Wall Street. Apenas tecnológicas resistem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião