Trump pagou 750 dólares de impostos federais sobre o rendimento no ano em que chegou à Casa Branca

  • ECO e Lusa
  • 27 Setembro 2020

O New York Times revelou o que Donald Trump mantinha em segredo desde que se candidatou à presidência dos EUA. E agora sabe-se que pagou 750 dólares em impostos federais sobre o rendimento em 2016.

No ano em que se candidatou a Presidente dos EUA, Donald Trump, pagou apenas 750 dólares em impostos federais sobre o rendimento, revelou o New York Times (acesso condicionado, em inglês). A poucas semanas das eleições americanas, o jornal revela que “as suas declarações ao Fisco traçam o retrato de um empresário que recebe centenas de milhões de dólares por ano, mas que sofre perdas crónicas a que recorre agressivamente para evitar pagar impostos”.

Segundo as informações reveladas pelo NYT, o Presidente norte-americano voltou a pagar apenas 750 dólares de impostos sobre o rendimento a nível federal no primeiro ano na Casa Branca. E em dez dos últimos 15 anos, não terá mesmo pago qualquer imposto.

O NYT revela, nesta notícia, que vai fazer novas revelações nas próximas semanas sobre as declarações fiscais de Donald Trump.

Trump rejeitou a investigação do New York Times (NYT) numa conferência de imprensa na Casa Branca no domingo, considerando o trabalho uma “notícia falsa”, e garantiu ter pago impostos, embora não tenha dado pormenores.

O Presidente norte-americano prometeu ainda que as informações sobre os seus impostos “serão todas reveladas”, mas não indicou qualquer linha temporal para essa revelação, sendo que fez promessas semelhantes durante a campanha de 2016, às quais nunca deu seguimento.

Ao contrário dos seus antecessores, Trump sempre recusou publicar as suas declarações fiscais, que estão não apenas no centro de uma batalha jurídica entre a Casa Branca e o Congresso norte-americano — que tem a responsabilidade da sua supervisão –, como o antigo magnata do ramo imobiliário, Presidente desde 2016 e candidato à reeleição em novembro tem processado todos aqueles que procuram ter acesso às mesmas.

“O New York Times obteve informações fiscais relativas a mais de 20 anos de Trump e das centenas de empresas que compõem o seu grupo, incluindo informações detalhadas sobre os seus dois primeiros anos de mandato. Isto não inclui as suas declarações de rendimentos de 2018 ou 2019″, escrevem os autores da investigação.

Num texto paralelo, o diretor do jornal, Dean Baquet, escreve que “os registos mostram uma diferença significativa entre aquilo que Trump disse ao público e o que revelou às autoridades fiscais federais ao longo dos anos”.

“Essas revelações sublinham o porquê de os cidadãos quererem conhecer as finanças do seu presidente: os negócios de Trump parecem ter beneficiado da sua posição e as suas ‘holdings’ abrangentes criaram potenciais conflitos entre os seus interesses financeiros e os interesses diplomáticos da nação”, acrescentou Baquet.

Um advogado do grupo de Trump, Alan Garten, disse ao New York Times que “a maioria dos factos, se não todos, parecem estar incorretos”, acrescentando que o Presidente “pagou dezenas de milhões de dólares em impostos pessoais ao governo federal, incluindo o pagamento de milhões em impostos pessoais desde que anunciou a sua candidatura em 2015”.

Ao contrário de todos os seus antecessores desde os anos 1970, Donald Trump, cujo grupo familiar não está cotado na bolsa de valores e que fez da sua fortuna um argumento de campanha, recusa-se a publicar as suas declarações de rendimentos e trava uma batalha jurídica para impedir a sua divulgação.

Esta falta de transparência tem alimentado especulação sobre a extensão da sua fortuna ou potenciais conflitos de interesses.

A divulgação desta investigação acontece dois dias antes de Trump e o democrata Joe Biden se enfrentarem no primeiro debate antes das eleições presidenciais, que se realizam a 0«3 de novembro.

As reações à investigação foram imediatas. O líder Democrata no Senado, Chuck Schumer, publicou uma mensagem no Twitter: “Ponham a mão no ar se pagaram mais impostos federais do que o Presidente Trump”.

(Notícia atualizada com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump pagou 750 dólares de impostos federais sobre o rendimento no ano em que chegou à Casa Branca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião