Uber vence recurso e recupera licença para operar em Londres

A Uber venceu o recurso contra a retirada da sua licença para operar em Londres. A justiça considerou "adequada" a continuidade do funcionamento da plataforma na capital do Reino Unido.

A Uber ganhou o recurso contra a retirada da licença para operar em Londres, uma vitória para a multinacional, que estava em risco de perder o acesso a um dos seus principais mercados. A justiça britânica considerou “adequada” a continuidade do funcionamento do serviço na capital do Reino Unido.

Foi em novembro de 2019 que a autoridade dos transportes local decidiu retirar a licença à Uber. Em causa, alegações de que milhares pessoas conseguiram fazer-se passar por motoristas sem terem licença para tal, transportando passageiros e contornando os mecanismos de prevenção de fraude da empresa.

Apesar de a Uber garantir na altura que já tinha resolvido esse problema, a Transport for London (TfL) decidiu, mesmo assim, retirar a licença à plataforma de transporte privado. Desde então, a empresa continuou a operar enquanto esperava o resultado do recurso, que foi agora conhecido. Não se sabe até quando é válida a nova licença da empresa.

Fonte oficial da plataforma já tinha confirmado em novembro que a empresa iria apresentar recurso de uma decisão que considerava “extraordinária e errada”. “Mudámos fundamentalmente o nosso negócio nos últimos dois anos e estabelecemos um padrão de segurança”, afirmava então a companhia.

Já depois da publicação desta notícia, a companhia reagiu à vitória. Numa declaração, Jamie Heywood, diretor-geral para o Norte e Leste Europeu, afirma: “Esta decisão é um reconhecimento do compromisso da Uber com a segurança e continuaremos a trabalhar de forma construtiva com a TfL.”

(Notícia atualizada às 14h39 com reação da Uber)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber vence recurso e recupera licença para operar em Londres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião