Perto de 42 mil empresas recorreram aos apoios que substituíram o lay-off simplificado

  • Lusa
  • 30 Setembro 2020

Dados foram avançados esta quarta-feira pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, no final da reunião da Concertação Social.

Quase 42 mil empresas recorreram até agora aos apoios que em agosto substituíram o lay-off simplificado, sendo que a maior parte optou pelo incentivo financeiro que contempla um apoio equivalente a dois salários mínimos por trabalhador.

Estes dados foram avançados esta quarta-feira pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, no final da reunião da Concertação Social, em que o Governo apresentou aos parceiros sociais uma proposta de reformulação da medida de apoio à retoma progressiva.

Segundo a ministra, das 41,4 mil empresas que recorreram aos apoios, 23,7 mil dirigiram-se ao incentivo financeiro extraordinário à normalização da atividade empresarial, através do qual é pago um valor equivalente a dois salários mínimos por trabalhador. Este apoio é pago ao longo de seis meses e implica a manutenção do posto de trabalho durante esse período de pagamento e nos 60 dias subsequentes.

Naquele universo há ainda 10 mil empresas que recorreram ao apoio à retoma progressiva, que permite a redução do horário de trabalho em função da quebra de faturação das empresas, mas com limites.

Dentro do leque de três instrumentos financeiros disponibilizados às empresas a partir de agosto, em substituição do ‘lay-off’ simplificado, o que registou menos pedidos (7,7 mil) foi o que contempla a atribuição de um salário mínimo por trabalhador pago de uma vez. No total, foram abrangidos por estes apoios cerca de 380 mil trabalhadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Perto de 42 mil empresas recorreram aos apoios que substituíram o lay-off simplificado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião