Hoje nas notícias: Prejuízos, banca e crise política

  • ECO
  • 1 Outubro 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

No OE2021, o Governo vai avançar com uma medida para evitar o agravamento das tributações autónomas das empresas que têm lucros habitualmente, mas vão ter prejuízos em 2020 por causa da crise pandémica. Na banca, o setor prevê uma redução de cinco mil trabalhadores. Perante a pandemia, PS junta-se ao PSD para garantir o voto antecipado para eleitores confinados.

Prejuízos não vão agravar tributações autónomas das empresas

O Ministério das Finanças está a preparar uma medida em que impede o agravamento das tributações autónomas das empresas que tendem a ter lucros, mas vão ter prejuízos em 2020 por causa da crise pandémica. A medida consta do Programa de Estabilização Económica e Social (PEES), mas não foi concretizado no Orçamento Suplementar, sendo agora no Orçamento do Estado para 2021. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Ministro dos Negócios Estrangeiros afasta crise política

“A dramatização não faz sentido”, diz Augusto Santos Silva numa entrevista conjunta ao Público e à Rádio Renascença, argumentando que face ao que prevê que esteja no Orçamento do Estado para 2021 não acredita que este venha a ser chumbado pelo Parlamento. “Não vejo substantivamente nenhuma razão para essa crise“, acrescenta. Relativamente às eleições presidenciais, Santos Silva deixa rasgados elogios ao atual Presidente da República: “Foi muito importante este equilíbrio entre uma AR de maioria de esquerda, um Governo de centro-esquerda claramente europeísta e um Presidente que vinha da direita”. Leia a entrevista completa na Rádio Renascença (acesso livre).

Juros de 4% afasta alunos do Plano de Alojamento no Superior

O Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior foi um fracasso porque os juros de 4% cobrados pelo Governo através da Fundiestamo afastam potenciais interessados, revela um documento interno da Fundiestamo. O juro definido foi uma exigência do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, segundo o mesmo documento, mas as instituições de Ensino Superior não conseguem suportar os custos. Das 2500 camas previstas até 2020, só 780 estão prontas. Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso pago).

Banca portuguesa deverá despedir 5 mil trabalhadores

Entre 2011 e 2019, a banca portuguesa já despediu mais de dez mil trabalhadores e encerrou 2.279 agências, segundo os dados da Associação Portuguesa de Bancos (APB). Com a crise pandémica, o vice-presidente do Sindicato dos Bancários do Norte, Álvaro Guerra da Fonseca, prevê que sejam despedidos cinco mil trabalhadores nos bancos Montepio, BCP, Novo Banco, Caixa Geral de Depósitos e Santander, e em menor escala no BPI. Além da pandemia, a má gestão, a quebra da atividade financeira, a digitalização e os novos concorrentes penalizam o negócio. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

PS junta-se ao PSD e propõe voto antecipado para eleitores confinados

O PS quer alargar o direito de voto antecipado aos eleitores que estejam em confinamento obrigatório quando se realizarem as Presidenciais. A medida já tinha sido proposta pelo PSD. Os eleitores têm de se registar numa plataforma digital disponibilizada pela secretaria-geral do Ministério da Administração Interna e depois o presidente da respetiva câmara – ou um vereador ou funcionário designado – vai ao domicílio do eleitor. É obrigatório que os eleitores estejam recenseados no mesmo concelho da morada em que fazem o confinamento. Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Prejuízos, banca e crise política

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião