Fundação Gulbenkian e VINCI têm meio milhão de euros para apoiar estudantes universitários

A Gulbenkian, com o apoio do grupo Vinci, lançou mais uma edição das Bolsas Gulbenkian Mais, para apoiar os jovens de mérito prestes a entrar na universidade e que tenham poucos recursos económicos.

Já estão abertas a candidaturas para as Bolsas Gulbenkian Mais, da Fundação Calouste Gulbenkian, para apoiar jovens prestes a entrar no ensino superior e que não tenham recursos económicos suficientes. Na edição deste ano, há um reforço de bolsas devido à parceria com o grupo VINCI, através do Programa VINCI para a Cidadania, e tem meio milhão de euros para distribuir em bolsas.

O valor corresponde a 3.000 euros por ano letivo, 300 euros por mês, para estudantes deslocados da sua residência habitual, e 1.500 euros, 150 euros por mês, para estudantes que já vivam na cidade onde vão estudar. A bolsa pode ser renovada anualmente até à conclusão do mestrado, desde que os alunos devem ter um bom desempenho académico. Podem candidatar-se estudantes de todo o país que estejam a concorrer ao primeiro ano de uma licenciatura, mestrado e mestrado integrado, com uma média de entrada superior a 17 valores.

Apostar na qualificação para promover a igualdade

“Pensámos que era preciso dar uma atenção especial a um novo tipo de bolsas, para aquelas pessoas que, tendo imensa qualidade e mérito, ficam com os seus percursos interrompidos por razões financeiras”, sublinhou Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, na apresentação da iniciativa, na manhã desta terça-feira.

João Sobrinho Simões, secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, destacou a importância da qualificação e do Ensino Superior para a promoção da igualdade e da prática da cidadania, e realçou que todos os esforços para o reforço da qualificação “serão um “retorno para todos”.

João Sobrinho Simões, secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Este ano, o número de candidaturas ao ensino superior disparou e o Governo anunciou a abertura de mais 7.400 vagas a nível nacional. Na semana passada, o Governo anunciou ainda o reforço do alojamento para estudantes do Ensino Superior com cerca de mais 2.400 camas, um aumento de 16% face ao ano letivo anterior. Além disso, foi também aumentado em quase 100 euros o complemento de alojamento para os alunos bolseiros, de 174 euros para 285 euros mensais.

“Temos este ano 50% dos nossos jovens a frequentar o ensino superior. É nosso desejo que tenhamos, antes do final da década, seis em cada dez jovens a estudar no ensino superior“, rematou João Sobrinho Simões.

A segunda fase das bolsas Gulbenkian Mais, que decorre entre 1 de novembro de 2020 e 1 de julho de 2021, será dirigida a alunos do ensino superior com necessidades imediatas e urgentes decorrentes de alterações à situação socioeconómica do agregado familiar durante o ano letivo, devido à pandemia.

Valores, muito além das notas

As bolsas Gulbenkian Mais dão também acesso a um programa de valorização pessoal, que inclui formações em inteligência emocional e liderança –através do método da Search Inside Yourself Leadership Institute, da Google — ou a possibilidade de trocar experiências com os cerca de 10.000 ex-bolseiros da Gulbenkian. Por fim, o programa inclui ainda o acesso a mentoria e debates para a resolução dos desafios atuais e futuros, com base nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas.

“No fundo, é obrigar o bolseiro a refletir sobre o que quer da vida, quais são os desafios atuais, o que é importante dar de si próprio e retribuir à sociedade que tanto precisa“, explica Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian.

Thierry Ligonnière, presidente do Programa VINCI para a Cidadania e CEO da ANA Aeroportos de Portugal, reforçou a posição do grupo como “parceiro ativo” do programa de bolsas e realçou que a parceria agora assinada “consubstancia o contributo para a área da educação e da qualificação, num momento de grande fragilidade para as famílias”.

“O nosso empenho e entusiasmo é total, para nos associarmos a esta iniciativa das Bolsas Mais. Há muitos talentos em Portugal e não podemos deixar que as oportunidades destes talentos sejam perdidas“, acrescentou o responsável.

O número de bolsas a atribuir nesta edição só será conhecido no final do processo de seleção e atribuição dos apoios. As candidaturas estão abertas até 31 de outubro e podem ser submetidas no site oficial.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundação Gulbenkian e VINCI têm meio milhão de euros para apoiar estudantes universitários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião