Governo espanhol agrava previsões. Economia vai contrair 11,2%

  • Lusa
  • 6 Outubro 2020

Para o próximo ano, prevê uma recuperação do PIB de 7,2%, enquanto a taxa de desemprego irá diminuir para 16,9%.

O Governo espanhol piorou em 2,1 pontos percentuais a queda do PIB em 2020, para -11,2%, devido à crise provocada pela Covid-19, segundo o novo quadro macroeconómico aprovado hoje pelo Conselho de Ministros.

Apesar de agravar ainda mais a diminuição da criação de riqueza, Madrid melhora em 1,9 pontos percentuais a taxa de desemprego para o corrente ano, para 17,1%.

Para o próximo ano, prevê uma recuperação para 7,2%, enquanto a taxa de desemprego irá diminuir para 16,9%.

A vice-presidente e Ministra da Economia e da Transformação Digital, Nadia Calvino, alertou durante a conferência de imprensa em que estes números foram apresentados que “o exercício de fazer previsões económicas é especialmente complicado num ambiente como o atual, marcado por uma elevada incerteza”.

“Até 2022 poderemos voltar aos níveis pré-pandémicos”, afirmou Calvino, assegurando que a recuperação económica está em marcha.

Esta maior contração da economia em 2020 fará com que a dívida pública seja três pontos superior ao previsto em julho último, para 118% do PIB no final do ano.

O Governo espanhol também deu luz verde a um novo teto de despesas, avançando com um aumento sem precedentes de mais de 50%, para 196 mil milhões de euros.

Este é o limite máximo previsto por Madrid de despesas não financeiras que podem ser feitas pelos ministérios governamentais.

O número aumentou graças à ajuda da União Europeia, que prevê um nível de apoio de 140 mil milhões nos próximos anos, dos quais Madrid estima que mais de 20 mil milhões vão chegar em 2021.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo espanhol agrava previsões. Economia vai contrair 11,2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião