Volume de encomendas dos CTT dispara 26% no semestre com a pandemia

  • ECO
  • 8 Outubro 2020

Os CTT registaram no primeiro semestre um crescimento de 26,1% nos objetos transportados face a igual período de 2019. Entregou mais 2,6 milhões de objetos nesse período.

A pandemia continua a puxar pelo comércio eletrónico. A prova disso é o crescimento de 26,1% no volume de objetos transportados pelos CTT entre janeiro e julho. Foram mais 2,6 milhões de objetos, para um total de 12,4 milhões, indicou o grupo num comunicado.

Este número de encomendas abrange encomendas do segmento expresso, mas também encomendas na área de negócio do correio tradicional. No entanto, ajuda a explicar a subida de três pontos percentuais na quota de mercado dos CTT no negócio do “expresso e encomendas”, um crescimento “acima do mercado”, assegura o grupo postal.

A empresa presidida por João Bento não revela a quota de mercado em concreto. Mas já era sabido que esta área dos CTT tem vindo a crescer à boleia da alteração das tendências de consumo, algo que a empresa reconhece.

“Os CTT tinham já revelado, na divulgação dos resultados do primeiro semestre, que tinham atingido rendimentos operacionais em Portugal de 51,8 milhões de euros no final do primeiro semestre de 2020, o que representa um crescimento de 12,8% face ao período homólogo, confirmando-se que esta é uma das grandes alavancas de crescimento da empresa”, aponta na mesma nota.

Segundo dados semestrais divulgados pela Anacom, foram entregues 27,4 milhões de encomendas no primeiro semestre de 2020, um aumento de quase 20,8% face à primeira metade de 2019.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Volume de encomendas dos CTT dispara 26% no semestre com a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião