Regulador obriga CTT a baixar preços por incumprimento dos indicadores de qualidade

A Anacom obrigou os CTT a baixar os preços do serviço postal, depois de a empresa não ter cumprido os indicadores de qualidade do serviço postal universal em 2019.

O regulador das telecomunicações obrigou os CTT CTT 1,22% a baixarem os preços do serviço postal, depois de a empresa não ter cumprido os indicadores de qualidade do serviço postal universal em 2019.

“A Anacom decidiu aplicar o mecanismo de compensação previsto na lei, que tem lugar quando não são cumpridos os indicadores de qualidade do serviço postal universal, o qual consiste na redução de preços que deverá beneficiar a universalidade dos utilizadores daquele serviço“, adiantou esta quinta-feira o regulador.

Em sequência disto, a Anacom determinou “em sentido provável de decisão que a variação máxima de preços permitida para 2020, para o cabaz de serviços composto pelos serviços de correspondências, jornais e encomendas, no âmbito do serviço postal universal, é deduzida em 1 ponto percentual”.

“Daqui resulta que, tendo em conta que de acordo com as regras de atualização de preços a variação máxima admissível em 2020 para o referido cabaz de serviços era de 1,41%, a variação média ponderada dos preços dos serviços de correspondências, jornais e encomendas não poderá ultrapassar os 0,41%“, acrescenta o regulador.

Já os preços dos envios de correio normal em quantidade devem reduzir 0,31%.

Para fundamentar a sua decisão, a Anacom refere que os CTT incumpriram 23 dos 24 indicadores de qualidade do serviço (IQS) postal universal no ano passado. “De facto, apenas cumpriram um dos 22 dos indicadores relativos a demoras de encaminhamento de envios postais e incumpriram os 2 indicadores relativos ao tempo em fila de espera nos estabelecimentos postais”, justifica o regulador liderada por João Cadete de Matos.

Este é o quarto ano consecutivo em que os CTT não conseguem cumprir a totalidade dos indicadores de qualidade do serviço postal universal, lembra a Anacom, que introduziu no ano passado um novo conjunto de indicadores de qualidade mais exigentes face à “degradação da qualidade do serviço postal universal e ao aumento das reclamações dos consumidores que se observou nos últimos anos”.

O sentido provável de decisão da Anacom, aprovado esta quinta-feira, é agora submetido a audiência prévia dos CTT durante dez dias úteis.

(Notícia atualizada às 17h52)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulador obriga CTT a baixar preços por incumprimento dos indicadores de qualidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião