Advogado Vieira de Almeida confirmado como vice-chairman da nova Generali Portugal

  • ECO Seguros
  • 9 Outubro 2020

A administração da nova companhia que resultou da Fusão da Tranquilidade com as filiais portuguesas do grupo italiano foi agora aprovada pelo supervisor dos seguros.

O advogado João Vieira de Almeida é a novidade confirmada na administração da Generali Portugal a companhia que resultou da fusão da Seguradoras Unidas (Tranquilidade, Açoreana, LOGO), com as companhias Vida e Não Vida que o grupo italiano já detinha em Portugal. Jaime Anchustégui Melgarejo atual CEO internacional da Generali, será o chairman.

A composição da nova administração foi agora confirmada pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF). Pedro Carvalho, presidente executivo da seguradora, integrará igualmente o board da Generali Seguros, assim como Riccardo Candoni, administrador da companhia na Grécia, Turquia, Brasil e Ecuador , Patrícia Espírito Santo, atual responsável de RH e organização Internacional da Generali em Milão, e Stefano Flori (administrador financeiro executivo).

Para além de Pedro Carvalho, a gestão executiva da companhia conta ainda com José Nogueira (Chief Operating officer), João Barata (Chief Insurance Officer) e Rogério Dias (Chief Distribution Officer). “Com a aprovação pela ASF do novo board da Generali Seguros conclui-se o processo de fusão formal das seguradoras do grupo em Portugal o que vai permitir à companhia crescer e reforçar a sua posição no mercado nacional, com produtos inovadores e suportada numa maior proximidade aos agentes e clientes”, afirma o CEO Pedro Carvalho.

O grupo Generali concluiu, recentemente, o processo de fusão das suas atividades em Portugal após ter adquirido a Seguradoras Unidas, entidade que detinha a Tranquilidade, a Açoreana e a LOGO em janeiro deste ano. Na sequência deste processo, a Seguradoras Unidas incorporou a Generali Companhia de Seguros e a Generali Vida Companhia de Seguros, tendo alterado a sua designação legal para Generali Seguros.

A companhia vai operar em Portugal com as marcas Tranquilidade, Açoreana, para aquele mercado e LOGO exclusivamente em online.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Advogado Vieira de Almeida confirmado como vice-chairman da nova Generali Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião