Marca Generali cai, italianos preferem Tranquilidade

  • ECO Seguros
  • 1 Outubro 2020

A seguradora Generali vai deixar de usar a sua marca, apostando nas portuguesas Tranquilidade, Açoreana e LOGO para desenvolver o negócio no país. Fusão das três companhias chega ao fim.

O grupo italiano Generali concluiu o processo de fusão das suas atividades em Portugal após ter adquirido a Seguradoras Unidas, entidade que detinha as marcas Tranquilidade, Açoreana e LOGO, em janeiro deste ano.

Na sequência deste processo, a Seguradoras Unidas incorporou a Generali Companhia de Seguros e a Generali Vida Companhia de Seguros, tendo alterado a sua designação para Generali Seguros. Sendo as três companhias controladas a 100% pela casa-mãe italiana Assicurazioni Generali S.p.A, as duas primeiras serão extintas ficando a última integrar todos os interesses em Portugal.

A Tranquilidade, com quase 150 anos de história, a Açoreana e a LOGO, serão as marcas com que o grupo vai operar em Portugal, deixando de utilizar a marca Generali que se estabeleceu no país em 1942.

“Hoje é um dia marcante porque este passo permite a consolidação numa entidade única, e instrumental para o processo de integração e transformação que temos em curso”, sublinha Pedro Carvalho, presidente-executivo da Tranquilidade e da Generali. Todas as aprovações legais necessárias para a concretização desta fusão foram obtidas junto do regulador do setor segurador, no período de quatro meses.

“Vivemos um momento particularmente desafiante, mas mantemos a aspiração de ser a melhor seguradora em Portugal: mais rápidos, mais ágeis, e os mais recomendados por clientes e parceiros”, acrescenta Pedro Carvalho.

Segundo a companhia, esta fusão “permite operar com maior escala e eficiência e reforçar as propostas de valor e soluções para os clientes e mediadores que trabalham com a companhia” e, adicionalmente, “reforça ainda a posição de solidez e solvência financeira, harmonizando o modelo de governo e os mecanismos de controlo”, afirma a Generali.

A agora Generali Portugal é o terceiro maior grupo segurador em Portugal detendo, com todas companhias e marcas, cerca de 14% de quota de mercado.

A Tranquilidade é uma marca da Generali Seguros com 1,875 milhões de clientes em Portugal e conta com uma rede de distribuição de mais de 2.500 pontos de venda, através de corretores, 2100 Agentes multimarca e 350 Agentes exclusivos.

Quanto à Generali foi fundada em Itália em 1831, está presente em 60 países do mundo com um total de receitas de prémios de mais de 70 mil milhões de euros em 2019. Com 70 mil funcionários e 70 milhões de clientes, a companhia é o 3º maior grupo segurador da Europa e o 8º no mundo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marca Generali cai, italianos preferem Tranquilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião