EDP acelera queima de carvão armazenado antes de Sines fechar em 2021

Entre janeiro e setembro a EDP vendeu menos 4% de eletricidade em Portugal e 12% em Espanha, refletindo em grande parte os efeitos da pandemia. No gás aumentou vendas em 4%.

Entre julho e setembro de 2020 a EDP registou um aumento de 21% na geração de eletricidade a partir do carvão em Portugal e Espanha, por comparação com igual período do ano passado. Isto depois de nos primeiros meses do ano o carvão ter praticamente saído do mix energético nacional, o que levou a a elétrica a anunciar em julho o encerramento antecipado de duas centrais a carvão na Península Ibérica (Sines e Soto 3, com 1,5 GW) no início de 2021.

Este “salto” na energia elétrica produzida a partir do carvão no terceiro trimestre do ano prende-se, explica a EDP, precisamente com o encerramento antecipado das centrais a carvão da empresa e a “respetiva necessidade de queima do carvão armazenado”, revelou a empresa no relatório de Dados Operacionais Previsionais relativos aos primeiros nove meses do ano, enviado esta sexta-feira à CMVM.

Em sentido contrário, as energias renováveis atingiram entre janeiro e setembro um peso de 74% no total da eletricidade produzida pela EDP, com a produção hídrica em linha com a média histórica e a produção eólica 9% abaixo dos volumes médios esperado.

A capacidade instalada total alcançou os 26,8 GW, refletindo os 726 MW de capacidade eólica instalada nos últimos 12 meses. No final de setembro a capacidade eólica e solar da EDP em fase de construção totalizava os 1,9 GW.

“Na comercialização na Península Ibérica, a eletricidade vendida reduziu-se 4% em Portugal e 12% em Espanha, refletindo em grande parte os efeitos da pandemia, enquanto o volume de gás comercializado aumentou 4% devido a novos grandes clientes no nosso portefólio”, informou a EDP em comunicado.

No que diz respeito à eletricidade distribuída em Portugal, a EDP dá conta que caiu 0,4% no terceiro trimestre, refletindo ainda assim “uma forte recuperação face ao período de confinamento no segundo trimestre, que teve uma queda de 10,9%, contribuindo para uma redução de 4% no acumulado dos nove meses”.

Em Espanha, a EDP também viu a eletricidade distribuída cair a pique 12% entre janeiro e setembro, na região onde a empresa opera, muito por causa da redução da atividade industrial.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP acelera queima de carvão armazenado antes de Sines fechar em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião