Há dois novos fornecedores de luz e gás. EDP continua a perder quota de mercado

  • ECO
  • 1 Outubro 2020

Em janeiro de 2019, a EDP Comercial detinha uma carteira de clientes que equivalia a 81% do mercado livre. Cerca de um ano e meio depois, em agosto de 2020 esta percentagem baixou para os 77%.

Há um novo comercializador de eletricidade no mercado liberalizado em Portugal. De acordo com o mais recente boletim da Entidade Reguladora dos serviços Energéticos (ERSE), relativo ao mês de agosto, a empresa chama-se Capwatt e com a sua entrada aumentou para 34 o número de comercializadores ativos no mercado liberalizado.

O mesmo se verificou no gás natural, que agora conta com 19 comercializadores com a entrada da Ezurimbol, que já atuava no setor elétrico e passou agora a fornecer também gás.

Apesar da lista de comercializadores de energia ser grande, em termos de quota de mercado, a EDP Comercial manteve a sua posição como principal operador no mercado livre de eletricidade em número de clientes (77%) e em consumo (41%). No entanto, e face a julho, a EDP viu a sua quota cair em 0,3 pontos percentuais, uma tendência que se tem vindo a verificar há vários meses.

Há um ano, em agosto de 2019, a EDP tinha 79% dos clientes no mercado livre, o que significa que em 12 meses a sua quota de mercado caiu dois pontos percentuais. Poucos meses antes disso, em janeiro do ano passado, a EDP mantinha-se ainda com uma quota de 81% dos clientes em mercado livre.

Revela agora a ERSE que em agosto de 2020, a Iberdrola manteve a liderança no segmento de clientes industriais (23%), enquanto o segmento dos grandes consumidores continua a ser liderado pela Endesa (25%).

O mercado livre registou em agosto um crescimento de 2,3% face a mês homólogo para um total acumulado superior a 5,3 milhões de clientes. O crescimento face ao mês anterior foi de 0,2% com um acréscimo de 8,5 mil clientes. Em agosto, o mercado liberalizado representava cerca de 95% do consumo total registado em Portugal continental e 84% do número total de clientes.

No mercado regulado, a serem abastecidos pelo comercializador de último recurso, EDP Serviço Universal, permanecem ainda cerca de 1 milhão de clientes de um universo total de 6,3 milhões.

Em termos de consumo, registou-se um aumento de 22 GWh relativamente ao mês anterior, atingindo os 42.018 GWh, o que representa um acréscimo de 0,1% face ao mês anterior e um decréscimo de 2,5% face ao período homólogo.

Em agosto, o mercado liberalizado representava cerca de 95% do consumo total registado em Portugal continental e 84% do número total de clientes. A quase totalidade dos grandes consumidores está já no mercado livre, enquanto a percentagem de domésticos representava em agosto cerca de 88% do consumo total do segmento, relativamente aos cerca de 86% registados no mês homólogo.

No gás natural, EDP tem mais clientes e Galp mais consumo

Já no gás natural o mercado livre alcançou um número acumulado de cerca de 1,3 milhões de clientes em agosto de 2020, com um crescimento líquido de cerca de 2,9 mil clientes face a julho, ou seja, mais 2,4% face ao período homólogo. No mercado regulado permaneciam apenas 253 mil clientes.

Em termos de quota de mercado, a Galp manteve a sua posição como principal operador no mercado livre em consumo (60%), enquanto a EDP Comercial manteve a sua posição de liderança em número de clientes no segmento PME (49%) e residencial (52%). A Galp continua a liderar nos segmentos de clientes industriais (53%) e no segmento dos grandes consumidores (65%).

O consumo de gás natural caiu 239 GWh face a julho, atingindo 40.700 GWh, o que representa um decréscimo de 0,6% relativamente ao mês anterior e de 3,9 % face ao mês homólogo. O consumo no mercado livre representava, em agosto, cerca de 98% do consumo total registado em Portugal continental. A totalidade dos grandes consumidores está já no mercado livre e os clientes industriais representavam, em agosto, cerca de 96% do consumo total do segmento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há dois novos fornecedores de luz e gás. EDP continua a perder quota de mercado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião