“Portugal não ficará de fora da rede ibérica de comboios de alta velocidade”

  • Lusa
  • 10 Outubro 2020

O primeiro-ministro, António Costa, assegurou que, "no futuro", Portugal fará parte da rede ibérica da alta velocidade ferroviária.

O primeiro-ministro português, António Costa, assegurou este sábado, na Guarda, que “no futuro” Portugal será incluído na rede ibérica de comboios de alta velocidade sem, no entanto, indicar quando é que isso irá acontecer.

“Quanto à alta velocidade, é seguro que Portugal não ficará de fora da rede ibérica da alta velocidade”, disse António Costa, ao lado do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, durante a conferência de imprensa final da Cimeira Luso-Espanhola que se realizou hoje na Guarda.

O chefe do Governo sublinhou que isso será feito “no momento próprio”, tendo o país de “encontrar uma ligação que possa integrar o conjunto de Portugal e contribuir também para o reforço da coesão territorial”.

“Este é um caminho que vamos continuar a fazer”, disse António Costa, acrescentando que neste momento Portugal tem de continuar a desenvolver as ligações rodoviárias que estão a ser construídas.

De acordo com a declaração conjunta da 31.ª Cimeira Luso-Espanhola, Lisboa e Madrid “renovaram o compromisso” com o desenvolvimento das suas ligações ferroviárias e rodoviárias e reafirmaram a sua aposta num transporte sustentável e multimodal que continue a aproximar os dois países integrantes do Corredor Atlântico.

No que diz respeito às ligações ferroviárias, os dois países manifestaram “o seu empenho” em avançar na melhoria da ligação ferroviária entre o Porto e Vigo e congratularam-se com a conclusão das obras de eletrificação do lado espanhol.

Destacaram também os avanços produzidos na ligação Aveiro-Salamanca, assim como com o grau de avanço das obras entre Plasencia e Badajoz, comprometendo-se a “continuar com os trabalhos para impulsionar a ligação ferroviária entre Lisboa e Madrid”.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

“Portugal não ficará de fora da rede ibérica de comboios de alta velocidade”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião