PAN “mais distante do que podia ser um voto favorável” ao OE

Para o PAN, a capacidade de acolhimento das preocupações das várias forças políticas por parte do Governo ficou aquém, estando o partido "mais distante" de um voto favorável ao OE.

O Governo apresenta, esta segunda-feira, o Orçamento do Estado na Assembleia da República, com o Bloco de Esquerda a avisar que não irá viabilizar a proposta como está. Do lado do PAN, nem o voto favorável nem a abstenção estão garantidos. Em declarações à SIC Notícias, a deputada Inês Sousa Real frisou que, “tendo em conta a falta de capacidade de acolhimento” do Governo das propostas dos vários partidos, o PAN está “mais distante do que podia ser um voto favorável”.

“Neste momento, não conhecemos ainda o documento final, mas tendo em conta a falta de capacidade de acolhimento de forma mais profunda das medidas, estamos mais distantes daquilo que podia ser um voto favorável“, disse a deputada, quando questionada se o PAN estará disponível para viabilizar o OE, na votação na generalidade.

Inês Sousa Real considerou que “um conjunto de medidas importantes” foi acolhido pelo Governo, mas de modo geral o Executivo ficou aquém. “Temos algumas matérias que nos parece que foram acolhidas de forma insuficiente pelo Governo. Seria fundamental haver uma capacidade de acolhimento das medidas”, afirmou. “O Governo falhou na capacidade de acolhimento das preocupações das restantes forças políticas”, acrescentou.

A deputada sublinhou que o PAN “não se demite de negociar”, pelo que continuará a discutir as propostas em torno das quais ainda não foi possível encontrar consenso na fase da especialidade. “Esperamos que este seja um Orçamento de viragem”, rematou Inês Sousa Real.

O Governo tem até às 23h59 para apresentar a proposta do Orçamento do Estado para 2021 na Assembleia da República. O Bloco de Esquerda já avisou que, como está, esse documento não merece viabilização por parte dos bloquistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PAN “mais distante do que podia ser um voto favorável” ao OE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião