PCP não se compromete com sentido de voto. Motivação não é “resposta a ameaças de crise política artificiais”

O deputado do PCP Duarte Alves não adiantou qual será o sentido de voto do partido no Orçamento do Estado, apontando que o documento será apreciado na sua globalidade.

O PCP ainda não se compromete com o sentido de voto para a proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2021, que será entregue esta segunda-feira no Parlamento, mas reitera que a decisão não será motivada por “ameaças de crise política artificiais”. Duarte Alves salienta, ainda assim, algumas medidas avançadas pelo partido que estarão incluídas no documento.

O que motiva o partido na decisão quanto ao OE 2021 “é a resposta aos problemas do país, não é a resposta a ameaças de crise política artificiais que são lançadas não só pelo primeiro-ministro como pelo Presidente da República”, defendeu o deputado Duarte Alves, em declarações transmitidas pela TVI24.

O deputado comunista apontou que o partido tem “intervindo desde o início do processo” com propostas, reiterando que há medidas que apresentou e são “património de intervenção”, nomeadamente o alargamento da gratuitidade das creches e o aumento extraordinário das pensões, que esperam para confirmar se estão no documento. De salientar que, de acordo com a versão preliminar da proposta do Governo para o OE 2021 obtida pelo ECO, estas medidas estão incluídas.

Ainda assim, Duarte Alves aponta que o PCP vai “olhar para este Orçamento na sua globalidade e de acordo com aquilo que de concreto tenha nas respostas aos problemas do país” tomar uma decisão. O deputado recordou ainda que nos últimos anos o partido já votou a favor, já se absteve e já votou contra o Orçamento Suplementar, não se comprometendo com nenhum sentido de voto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP não se compromete com sentido de voto. Motivação não é “resposta a ameaças de crise política artificiais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião