É oficial. Pires de Lima é o novo CEO da Brisa

  • Lusa e ECO
  • 13 Outubro 2020

Foi concluída a operação de venda de 81,1% da Brisa pelo consórcio liderado pelo fundo holandês APG. António Pires de Lima vai ser o novo presidente executivo da Brisa.

O consórcio liderado pela APG concluiu a aquisição de 81,1% do capital da Brisa, e prevê investir 1,2 mil milhões de euros na empresa portuguesa, em 15 anos, segundo um comunicado divulgado esta terça-feira.

A conclusão do negócio resulta da “decisão de não oposição por parte do regulador europeu” a esta operação, de acordo com a mesma nota.

No comunicado, as empresas indicam que “no seguimento da conclusão da operação, Vasco de Mello é nomeado presidente do Conselho de Administração e António Pires de Lima é nomeado CEO [presidente executivo]” da Brisa, tal como Eco tinha avançado em primeira mão.

Os grupos envolvidos nesta operação recordaram que “em 28 de abril de 2020, o consórcio que inclui a APG, o Serviço Nacional de Pensões da República da Coreia e a Swiss Life Asset Managers” celebrou “um acordo de aquisição de uma participação maioritária na Brisa –Auto-Estradas de Portugal, SA ao Grupo José de Mello e Arcus European Infrastructure Fund 1 LP gerido pela Arcus European Investment Manager LLP, operação que valoriza o ativo Brisa em mais de três mil milhões de euros”, de acordo com o comunicado.

De acordo com Jan-Willem Ruisbroek, responsável pela Estratégia Global de Investimento em Infraestruturas da APG, citado na mesma nota, o “consórcio tem capital disponível para fazer o negócio crescer e espera investir mais de 1,2 mil milhões de euros, nos próximos 15 anos, na manutenção e melhoria da rede rodoviária e no desenvolvimento de novas soluções de mobilidade”.

António Pires de Lima, por sua vez, garantiu que estaria “focado na criação de oportunidades que venham acrescentar valor” aos ‘stakeholders’ da concessionária, “incluindo o Estado português” e “os clientes, de acordo com as melhores práticas de ESG [Environment, Social and Governance]”.

A Brisa é uma operadora europeia de estradas com portagem, com uma rede de mais de 1.500 quilómetros “que cobre o eixo fundamental do sistema rodoviário português”, recordam as empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É oficial. Pires de Lima é o novo CEO da Brisa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião