Bruxelas aprova venda da Brisa a investidores internacionais

A Comissão Europeia aprovou a venda da Brisa por parte do Grupo Mello e fundo Arcus a um consórcio formado por investidores holandeses, sul coreanos e suíços, num negócio avaliado em três mil milhões.

A Comissão Europeia aprovou a venda da concessionária Brisa por parte do Grupo José de Mello e do fundo Arcus a um consórcio formado por investidores holandeses, sul coreanos e suíços, num negócio que avalia a empresa portuguesa em três mil milhões de euros.

Em comunicado, o executivo europeu diz que a operação “não levanta preocupações de concorrência tendo em conta o impacto limitado da transação na Área Económica Europeia”. A transação foi analisada no âmbito de um processo de revisão simplificado.

Esta era uma das condições para a concretização do negócio anunciado no final de abril, em que o Grupo José de Mello e o fundo Arcus aceitaram vender 81,1% da Brisa a três investidores: a APG (gestora de ativos da ABP, o fundo de pensões dos funcionários públicos e do setor da educação dos Países Baixos), o NPS (serviço nacional de pensões da República da Coreia) e a SLAM (gestora de ativos da Swiss Life, a maior seguradora do ramo vida na Suíça).

A aquisição da principal concessionária rodoviária portuguesa será realizada através de um veículo integralmente detido, direta e indiretamente, pelo consórcio, e conjuntamente controlado pela APG e pelo NPS.

Apesar da venda, o Grupo José de Mello vai permanecer como acionista de referência da Brisa, com uma posição de 17% e “participação ativa na gestão” da empresa. Vasco de Mello vai continuar como chairman da concessionária que explora cinco concessões com um total de 21 autoestradas. Já o fundo Arcus sai da estrutura acionista da Brisa após ter entrado em 2012.

O ECO avançou que a Brisa terá como presidente executivo o antigo ministro da Economia António Pires de Lima.

(Notícia atualizada às 13h13)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas aprova venda da Brisa a investidores internacionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião