Anacom promete arrancar com o leilão do 5G ainda este mês

A Anacom ainda não aprovou o regulamento do leilão do 5G, apesar de ter previsto que o faria em setembro. Mesmo assim, tenciona fazê-lo e dar início ao processo ainda neste mês de outubro.

A Anacom ainda não aprovou o regulamento do leilão de frequências para o 5G. Mas espera fazê-lo nos próximos dias e arrancar com o processo do leilão ainda neste mês de outubro.

“Tudo a correr normalmente. Estamos a ultimar os trabalhos, e contamos aprovar o regulamento e dar início ao processo do leilão este mês”, disse ao ECO fonte oficial do regulador.

Contudo, a entidade liderada por João Cadete de Matos confirma, desta forma, que o regulamento ainda não foi aprovado, apesar de o calendário da própria Anacom prever que o regulamento deveria ter sido aprovado em setembro.

Calendário da Anacom previa regulamento em setembro

Fonte: Anacom

Antes da pandemia, as principais operadoras de telecomunicações criticaram a Anacom pelo alegado atraso no processo. O dossiê foi suspenso por vários meses durante o confinamento e, nas últimas semanas, a Altice Portugal tem apelado à revisão das condições previstas no projeto de regulamento que foi sujeito a consulta pública pelo regulador, considerando que “o mundo mudou” por causa do coronavírus.

“Participaram na consulta pública organismos governamentais, os dois Governos regionais, reguladores, instituições publicas, autarquias locais, prestadores de serviços de comunicações eletrónicas, fabricantes e o público em geral”, informou a Anacom em julho, quando anunciou o novo calendário do 5G, que prevê ainda o começo do leilão neste mês de outubro e a sua conclusão em dezembro.

De qualquer das formas, Portugal já só deverá ter 5G em 2021, ao contrário da meta estipulada pelo Governo antes da Covid-19 de ter duas cidades com 5G em Portugal até ao fim do ano. Isto porque a conclusão dos procedimentos de atribuição dos direitos de utilização das frequências foi apontada para janeiro ou fevereiro do próximo ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Anacom promete arrancar com o leilão do 5G ainda este mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião