Vodafone ameaça boicotar leilão de 5G em Portugal se regras “ilegais” não mudarem

  • ECO
  • 15 Outubro 2020

Em entrevista à Reuters, a CEO da Vodafone Cluster Europe, Serpil Timuray, diz considerar que o modelo desenhado pela Anacom para o leilão de 5G é ilegal.

A Vodafone está a ponderar não entrar no leilão de frequências para o 5G que a Anacom está a preparar e que deverá acontecer ainda este mês. A empresa considera que o modelo tem ilegalidades e é discriminatório pelo que ameaça boicotar o processo, segundo explicou a CEO da Vodafone Cluster Europe, Serpil Timuray, em entrevista à Reuters (acesso livre / conteúdo em inglês).

O regulador, que planeia relançar o leilão este mês após atrasos devido à pandemia, reservou um espetro preferencial de 900 MHz e 1.800 MhZ para novos players, com um desconto de 25% face ao preço final. Serpil Timuray disse, à Reuters, que está a reconsiderar a participação no leilão, caso as regras não sejam alteradas.

“Acreditamos que esta proposta de desenho do espetro é ilegal à luz tanto da lei portuguesa como da União Europeia“, afirmou Timuray, explicando que novos players não teriam obrigações de investimento no país, um “fardo” que teria de ser partilhado pelas empresas que já estão no mercado, ou seja, Altice, Vodafone e Nos. Sublinhou ainda que estes três teriam de partilhar a infraestrutura.

A Vodafone pediu por isso à Comissão Europeia que investigue o modelo. “Há uma descriminação significativa e injustificada contra operadores de longo prazo que nos obriga a reconsiderar todas as nossas opções em Portugal, incluindo fazer uma oferta por menos espetro ou não fazer de todo, se o leilão tem tantas falhas”, disse Timuray à Reuters. Acrescentou que a empresa está igualmente a reconsiderar os planos de estabelecer o centro europeu de investigação e desenvolvimento em Portugal.

(Notícia atualizada às 16h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vodafone ameaça boicotar leilão de 5G em Portugal se regras “ilegais” não mudarem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião