Altice admite desinvestir em Portugal por causa do 5G

  • ECO
  • 16 Outubro 2020

Alexandre Fonseca admite que a Altice pode desinvestir no mercado português por causa do 5G. Todos os operadores estão contra o regulador do setor, a Anacom.

A Altice Portugal está a avaliar o desinvestimento em Portugal “ou até pela racionalização do envolvimento em projetos grandes consumidores de capital, com retorno duvidoso face às regras impostas”. Alexandre Fonseca responde assim à possibilidade de a Anacom manter as regras já anunciadas no lançamento do novo leilão de 5G, que deverão ser conhecidas ainda este mês.

Já não é a primeira vez que a Altice critica o processo do 5G e agora que se aproxima a data do novo leilão, o tom das críticas sobe de tom por parte de todos os operadores. Depois das posições de força da Vodafone e da NOS, que admitem mesmo não concorrer, é a vez da Altice assumir o risco de rutura. Sem comentar a posição dos concorrentes, Alexandre Fonseca afirma que Portugal vive “num ambiente regulatório hostil e adverso, que não só não estimula o investimento, como retrai qualquer investidor em apostar no nosso país no setor das telecomunicações, um setor onde desde o Governo a Associações independentes, passando por grandes consultoras internacionais e fabricantes de tecnologia, todos são unânimes em criticar a gestão do dossiê 5G feita pela Anacom”, o regulador do setor que é liderado por Cadete de Matos.

“Sendo todos os operadores nacionais empresas privadas, é natural que os seus acionistas procurem legitimamente rentabilizar as centenas de milhões de euros que injetam anualmente na nossa Economia, procurando um ambiente estável, com previsibilidade e que estimule o investimento. Ora hoje, o momento que vivemos em Portugal é, lamentavelmente, o oposto”, afirmou o presidente executivo da Altice Portugal em resposta à agência Lusa.

Alexandre Fonseca reafirma que investimento da Altice “deve conter um racional económico que permita a viabilidade do retorno desse mesmo investimento, suportando a geração de valor, a manutenção das dezenas de milhar de postos de trabalho desta indústria no nosso país e o crescimento deste setor hoje mais do que nunca indispensável para o desenvolvimento e crescimento económicos”.

Esta semana, a NOS considerou que as regras do leilão de 5G são ilegais e acusa a Anacom de estar a comprometer o investimento no setor. Em declarações ao ECO, fonte oficial da empresa liderada por Miguel Almeida criticou o modelo, tal como tinha feito a concorrente Vodafone, que diz mesmo que não irá participar no leilão caso as regras não sejam alteradas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice admite desinvestir em Portugal por causa do 5G

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião