Empresa de Braga cria “caixa” que elimina vírus do calçado e vestuário

  • Lusa
  • 16 Outubro 2020

Denominado GermiSafe BOX 54 e criado pela empresa Thermopista, o equipamento foi acompanhado e testado em parceria com o Departamento de Física e o Centro de Engenharia Biológica da UM.

Uma empresa de Braga desenvolveu um equipamento para a esterilização de calçado, vestuário e outros materiais capaz de eliminar o vírus SARS-CoV-2, responsável pela covid-19, anunciou esta sexta-feira a InvestBraga.

Em comunicado, a InvestBraga acrescenta que o equipamento “tem um grau de confiabilidade e eficácia muito próximo dos 100 por cento”. Denominado GermiSafe BOX 54 e criado pela empresa Thermopista, o equipamento foi acompanhado e testado em parceria com o Departamento de Física e o Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho.

Citado no comunicado, o CEO da Thermopista, Rui Folha, refere que se trata de um equipamento “inovador, único, eficiente e com uma eficácia muito próxima dos 100%, permitindo eliminar por completo bactérias, vírus ou fungos que se agarram a calçado, roupas, máscaras ou outros objetos”.

Aquela caixa de esterilização tecnologicamente avançada, desenvolvida durante a pandemia, tem também como objetivo garantir a eliminação de vírus SARS-CoV-2, entre outros. Todo o processo é realizado em menos de cinco minutos através de desinfeção por radiação ultravioleta.

O GermiSafe BOX 54 é fruto de um projeto de investigação da Thermopista, sediada no Parque Industrial de Celeirós, que aposta há doze anos na inovação e desenvolvimento de equipamentos eletrónicos de alto rendimento, em colaboração com o Centro de Física e o Centro de Engenharia Biológica da UMinho.

A InvestBraga atua como o braço económico do município e tem como missão promover o desenvolvimento económico da região. Através da atração de investimento e de empreendedores, e com a inovação como um dos seus fios condutores, a agência aposta na credibilização do município enquanto parceiro de negócio junto de investidores nacionais e internacionais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresa de Braga cria “caixa” que elimina vírus do calçado e vestuário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião