Moratórias não são uma “panaceia”, alerta Banco de Portugal

Vice-governador do Banco de Portugal diz que é necessário começar a pensar "numa estratégia de saída" do regime das moratórias porque recuperação económica não será igual para todos.

Milhares de famílias e empresas portuguesas pediram aos bancos para suspenderem as prestações dos empréstimos nos últimos meses. O Banco de Portugal considera a moratória do crédito foi uma medida importante porque permitiu absorver o impacto imediato da crise pandémica, mas não é “uma panaceia”, avisa o vice-governador, Luís Máximo dos Santos. É preciso começar a pensar “numa estratégia de saída” porque a recuperação não será igual para todos.

“É um instrumento e uma medida de política importante, mas não é uma panaceia. Quer dizer, as moratórias permitem ganhar tempo e gerir melhor a conjuntura imediata, mas haverá um momento em que terão de cessar”, alerta Máximo dos Santos em entrevista ao BdP Podcast, o novo podcast do Banco de Portugal.

“Aí terá de se pensar numa espécie estratégia de saída porque a recuperação da atividade económica provavelmente não vai ser de índole a que uma vez terminadas as moratórias, a suspensão dos reembolsos de crédito, todos os beneficiários delas possam estar em condições de passar a cumprir”, sublinhou o vice-governador.

"É um instrumento e uma medida de política importante, mas não é uma panaceia. Quer dizer, as moratórias permitem ganhar tempo e gerir melhor a conjuntura imediata, mas haverá um momento em que terão de cessar.”

Luís Máximo dos Santos

Vice-governador do Banco de Portugal

Máximo dos Santos lembra que, mesmo na atual situação das moratórias, os bancos já estão a registar um aumento de incumprimentos nos créditos por parte daqueles que não se encontram abrangidos pela medida que permite uma suspensão temporária do pagamento dos empréstimos bancários até setembro do próximo ano.

De acordo com a Sinopse de Supervisão Comportamental do Banco de Portugal, os contratos de crédito com moratórias ascendiam a 726.966 no final de agosto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moratórias não são uma “panaceia”, alerta Banco de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião