Estreias europeias em casa de FC Porto, Benfica e Braga podem ter público

  • Lusa
  • 17 Outubro 2020

Foi alcançado um acordo com o Ministério da Saúde, a secretaria de Estado do Desporto e Juventude e a Autoridade de Saúde para "efetuar mais três jogos teste com público".

FC Porto, Benfica e Sporting de Braga foram autorizados a receber um máximo de 15% da lotação dos estádios nos primeiros jogos em casa na Liga dos Campeões e Liga Europa, anunciou este sábado a Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Em comunicado publicado no sítio oficial na Internet, a FPF revelou que, “após um conjunto de reuniões entre a secretaria de Estado do Desporto e Juventude, o Ministério da Saúde e a Autoridade de Saúde, alcançou um acordo para efetuar mais três jogos teste com público“.

O FC Porto-Olympiacos, da segunda jornada do grupo C da Liga dos Campeões, em 27 de outubro, o Sporting de Braga-AEK Atenas, da primeira ronda do grupo G da Liga Europa, em 22 de outubro, e o Benfica-Standard Liège, da segunda jornada do grupo D da Liga Europa, em 29 de outubro, poderão ter público nas bancadas, limitado a 15% da lotação de cada um dos estádios.

Ainda de acordo com a FPF, a zona dos camarotes e lugares corporate “com menos de seis lugares, deve ser reduzida, de forma a garantir o distanciamento de dois metros entre espetadores”, enquanto as que tiverem mais de seis lugares deverão ser reduzidas “pelo menos para 50% e garantindo o distanciamento de dois metros entre espetadores”.

Os três jogos dos representantes lusos nas competições europeias desta época vão ser “acompanhados pela equipa da Direção de Competições da FPF, que foi responsável pelos testes efetuados no Estádio José Alvalade, nos jogos da seleção nacional, com Espanha e Suécia”.

As equipas portuguesas têm jogado à porta fechada desde junho, quando foram retomadas as competições nacionais, que tinham sido suspensas em março, devido à pandemia de Covid-19.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estreias europeias em casa de FC Porto, Benfica e Braga podem ter público

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião