Estados Unidos processam Google por monopólio ilegal e anticoncorrência

  • Lusa
  • 20 Outubro 2020

Justiça norte-americana entra com ação judicial contra o Google por violar leis da concorrência. Considera que há abusos de posição dominante na publicidade digital e nas pesquisas.

O Departamento de Justiça norte-americano entrou esta terça-feira com uma ação judicial contra o Google por violar leis antitrust, alegando monopólio ilegal dos mercados de publicidade e de buscas na internet, prejudicando consumidores e concorrência.

“O Google é a porta de entrada para a internet e um gigante da publicidade em buscas”, disse o procurador-geral adjunto dos Estados Unidos, Jeffrey Rosen, numa conferência de imprensa, citado pela agência AP.

Segundo Jeffrey Rosen, o Google “manteve seu poder de monopólio através de práticas excludentes que são prejudiciais à concorrência”.

Os casos antitrust (relacionados com práticas de monopólio) na indústria de tecnologia precisam de avançar rapidamente, defendeu o procurador-geral adjunto, acrescentando que se isso não acontecer, há risco de se perder “a próxima onda de inovação”.

Esta ação antitrust contra a Google é a mais significativa em pelo menos duas décadas.

O procurador-geral adjunto do Departamento de Justiça explicou que o processo indica que o Google apoia o seu papel de “principal guardião do acesso” à internet através de “uma rede ilegal de acordos exclusivos que prejudica concorrentes”, avança a agência EFE.

Entre eles, o responsável citou o pagamento de milhões de dólares à Apple para colocar o motor de busca do Google como o básico nos iPhones e a proibição de integrar motores de concorrentes através de contratos especiais.

O Google respondeu na rede social Twitter, afirmando que “o processo judicial do Departamento de Justiça é profundamente fraco”.

“As pessoas usam o Google porque querem – não porque são forçadas ou porque não conseguem encontrar alternativas”, afirmou a empresa.

O gigante da tecnologia com sede em Mountain View, Califórnia, uma subsidiária da Alphabet, controla cerca de 80% das pesquisas na internet nos Estados Unidos.

Nos últimos anos, os gigantes da tecnologia têm enfrentado críticas de diferentes governos e blocos, como a União Europeia (UE), devido ao grande poder que acumulam, aos benefícios exorbitantes que obtêm e aos baixos impostos que pagam.

Outros grandes conglomerados digitais como Facebook, Apple ou Amazon estão sob investigação de reguladores e legisladores, preocupados com possíveis casos de abuso de poder.

Com a transformação do Google num dos gigantes da tecnologia, a empresa tem sido seguida de perto pelas autoridades dos Estados Unidos, e a Comissão Federal de Comércio do país, que também tem autoridade para investigar casos de monopólio, já realizou investigações em torno da Google, embora tenha encerrado em 2013 sem provas suficientes.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Estados Unidos processam Google por monopólio ilegal e anticoncorrência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião