BRANDS' CAPITAL VERDE CTT financiam projetos de sustentabilidade escolhidos pelos portugueses

  • BRANDS' ECO
  • 21 Outubro 2020

A iniciativa de compensação carbónica participativa tem como objetivo financiar dois projetos ambientais para compensar as emissões de gases com efeito de estufa do Correio Verde.

Os CTT vão dar início a mais uma iniciativa de compensação carbónica participativa, com o objetivo de financiar dois projetos ambientais, um nacional e um internacional, dos quatro projetos agora apresentados, para compensar as emissões de gases com efeito de estufa do Correio Verde.

Esta iniciativa, pioneira entre as empresas nacionais e do setor, reafirma o alinhamento dos CTT com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável 12 e 13 da ONU e que os CTT subscrevem, permitindo aos nossos stakeholders participar ativamente no processo de decisão.

O “Correio Verde” é uma oferta 100% ecológica que aposta conveniência aliada à proteção ambiental, garantindo a neutralidade carbónica dos seus produtos sem custos adicionais para os clientes. Todas as embalagens são produzidas com materiais reciclados e as tintas utilizadas na impressão são amigas do ambiente. Cada objeto entregue pelos CTT resulta em média na emissão de 53,5g de CO2.

Neste sentido, as emissões carbónicas produzidas ao longo da cadeia de valor, impossíveis de evitar, são integralmente compensadas através do apoio a projetos que visam benefícios ambientais, nomeadamente no combate às alterações climáticas e na promoção da biodiversidade, e também sociais, como a geração de emprego e a melhoria da qualidade de vida das comunidades locais. As receitas do Correio Verde, desde o seu lançamento em 2010, têm apresentado desde o seu lançamento em 2010 uma evolução positiva, em grande medida impulsionadas pela visibilidade dos seus atributos ambientais.

Este ano, os projetos propostos a votação são a conservação de Turfeiras, a conservação dos bosques, a utilização de biomassa renovável no Brasil e o projeto de reflorestação, também no Brasil. O voto deve ser feito no website dos CTT até ao próximo dia 26 de outubro.

A estratégia de sustentabilidade dos CTT está alinhada com a ambição de limitar o aquecimento global a 1,5ºC até 2030 e também com os interesses e as prioridades das nossas partes interessadas em matérias responsabilidade social e ambiental, como a preservação ambiental, a proteção da biodiversidade e da floresta nacional e o apoio ao desenvolvimento de populações carenciadas, no sentido de melhorar ainda mais o nosso desempenho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT financiam projetos de sustentabilidade escolhidos pelos portugueses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião